Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/12/13 às 17h33 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Saúde reforça importância da amamentação

COMPARTILHAR

Leite materno previne doenças como diabetes e obesidade

Amamentar é importante e muitas pessoas sabem disso. O que pouca gente tem conhecimento, no entanto, é que a amamentação previne doenças para vida toda, como por exemplo o diabetes, a obesidade e o aumento do colesterol.

Quem explica é a coordenadora dos bancos de leite da Secretaria de Saúde, Mirian Santos, para quem a amamentação é uma responsabilidade de toda a família.

“É preciso que o pai, o companheiro, a mãe, a sogra, todos se unam para dar condições para que a mulher amamente. Na hora em que o bebê estiver dormindo, a mãe deve dormir também, para descansar e estar em condições de amamentar”, exemplifica.

Ainda segundo a médica, agindo em prol do mesmo objetivo, todos estarão contribuindo para uma vida saudável não somente do bebê, mas do futuro adulto. Pessoas que foram amamentadas têm melhores níveis de colesterol, glicose e outros causadores de doenças, revela, lembrando que “quanto maior o empenho, maiores são as chances de sucesso”.

E esse empenho, acrescenta, deve ocorrer em relação a todos os bebês, principalmente se a criança for prematura, o que exige certos cuidados que normalmente não são necessários em relação a um bebê com um peso normal.

A posição para amamentar, por exemplo, torna-se um problema quando o bebê é muito pequeno. “Nesse caso a mãe pode adotar a posição de cavaleiro, onde o recém-nascido fica sentado sobre a coxa da mãe, que o segura pelas costas. É uma posição boa porque faz com que o bebê não durma e possa mamar, já que o prematuro é muito sonolento”, cita.

A opinião da médica é que é preciso perseverar sempre e nunca desistir da amamentação. “Por mais que as indústrias tentem novas fórmulas, jamais conseguirão reproduzir um alimento como o leite materno, que tem um fato imunológico muito importante”, identifica a coordenadora.

Quando o bebê nasce prematuro e permanece internado, a mãe é orientada a fazer a retirada manual do leite seis vezes ao dia. Isso faz com que haja a produção da prolactina, o hormônio da amamentação.

Como amamentar?
Todos os 12 bancos de leite e os dois postos de coleta de Samambaia e de São Sebastião estão aptos a orientar as mães sobre como amamentar. Em casos de dúvidas ou qualquer outro problema que ocorra, a mãe deve procurar essas unidades, que ficam nos hospitais, para obter esclarecimentos. O ideal é que ela vá acompanhada pelo bebê e pela pessoa que a ajuda em casa para que toda a família receba orientações. O atendimento é feito de segunda a sexta-feira, nos períodos da manhã e tarde.

Como doar?
Mais do que amamentar seu próprio filho, a mãe nutriz pode salvar vidas de bebês internados que não têm como ser alimentados pela própria mãe. A doação pode ser feita sem que a doadora precise sair de casa. Para isso, basta ligar para o banco de leite de sua cidade e agendar a ida de uma equipe para buscar o alimento.

Segundo os técnicos da Saúde, um vidro de 300ml por semana já minimiza bastante a falta de leite.

Quem não doa, como ajudar?
Toda a população pode ajudar a causa da amamentação. Mesmo que não tenha como doar leite, a pessoa pode doar potes de vidro de café solúvel ou chá mate e as tampas dos potes de maionese que agora são de plástico e não podem ser fervidos.

Só servem os vidros ou tampas de recipientes de tamanho pequeno ou médio, porque os grandes não cabem em pé nos freezers dos bancos de leite.

Volume arrecadado de leite no DF:
2012 – 17.100 litros – 5.566 mães doadoras
2013 (até novembro) – 15.848 litros – 5.264 doadoras

Relação de bancos de leite no DF:

Hospital das Forças Armadas (HFA) – 3966.2250
Hospital da Asa Norte (HRAN) – 3325.4207/3325.4355
Hospital da Asa Sul (HRAS) – 3445.7597/3445.7514
Hospital Regional de Brazlândia (HRBZ) – 3479.9643
Hospital Regional de Ceilândia (HRC) – 3372.9652
Hospital Regional do Gama (HRG)- 3384.0337
Hospital Regional Planaltina (HRP)- 3388.9794
Hospital Regional do Paranoá (HRPA) – 3369.9980
Hospital Regional de Sobradinho (HRS) – 3387.3993
Hospital Regional do Santa Maria (HRSM) – 3392.6287
Hospital Regional do Taguatinga (HRT) – 3352.6900/3353.1017
Hospital Universitário de Brasília (HUB) – 3448.5391
Posto de Coleta São Sebastião – 3339.1125
Posto de Samambaia – 3458.9811

Por Arielce Haine, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61) 3348-2547/2539 e 9862-9226