Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/07/13 às 16h05 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Ambulatório do Viajante fez mais de mil atendimentos

COMPARTILHAR

Unidade começou a funcionar em outubro de 2010

Cada vez mais o brasileiro tem viajado para fora do país. Logo, a possibilidade de adoecer no exterior e trazer algumas doenças para cá tem aumentado. O Ambulatório do Viajante desde o início do seu funcionamento, em outubro de 2010, realizou mais de mil atendimentos, uma média diária de seis a sete viajantes na unidade. No Distrito Federal, o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) é o único que oferece esse serviço.

“Temos como objetivo central prevenir a ocorrência de doenças infecciosas em viajantes brasileiros para o exterior e, com isso, limitar a possível importação de novas ou antigas doenças”, afirma o médico sanitarista e epidemiologista Luiz Fernando Carvalho. De acordo com ele, o Ambulatório do Viajante também atende viajantes domésticos, principalmente, quando o destino é uma área do país reconhecida como de alto risco.

Realizado por dois médicos sanitaristas, o atendimento funciona de segunda à sexta, de 8h ao meio-dia e das 14h às 17h. A marcação de consultas no Ambulatório do Viajante pode ser feita pelo telefone 3325-4362 ou pessoalmente na unidade, localizada no HRAN. Recomenda-se ao viajante levar o cartão de vacina para a consulta.

Trata-se de uma consulta preventiva, com orientações para minimizar o risco do viajante em adquirir uma doença infecciosa no exterior. Dentre os aconselhamentos estão vacinas e recomendações em função do destino, meio de transporte, propósito e duração da viagem.

As vacinas recomendadas são as de uso rotineiro e as especiais. “Nosso foco são as doenças infecciosas, aquelas evitáveis por vacinas como sarampo, rubéola, caxumba, tétano, febre amarela, difteria, tuberculose, hepatite A, hepatite B, meningite meningocócica e febre tifóide, além de doenças contra as quais não dispomos de vacina, e sim de recursos para evitá-las como as transmitidas por mosquito (malária, dengue, leishmaniose)”, explica o especialista.

O Ambulatório do Viajante também atende pessoas que estejam em trânsito, nacional ou estrangeiro, com o propósito de tomar vacina ou receber alguma orientação. “Basicamente tem sido viajante brasileiro, turistas, funcionários públicos civis ou militares com missão no exterior, trabalhadores de empresas privadas com atuação fora do país, missionários e voluntários”, comenta Luiz Fernando. O atendimento pode ser individual ou coletivo como, por exemplo, uma família ou um grupo de pessoas que pretende ir a um determinado destino.

As doenças infecciosas sempre se difundiram pelo mundo acompanhando os deslocamentos humanos. “Atualmente esse processo está aceleradíssimo, pois os deslocamentos estão cada vez mais rápidos e intensos. Portanto, a chance de uma doença se disseminar no mundo, hoje, é muito mais fácil”, alerta o especialista. 

Durante o ano, há uma variação no fluxo de atendimento do Ambulatório do Viajante. “No caso dos turistas, a procura é maior nos meses que antecedem as férias. Quanto aos outros tipos de viajantes, o fluxo se distribui quase que homogeneamente ao longo do ano”, conta.

O diretor do HRAN, Valdir Nunes, enfatiza a necessidade de que todo brasileiro ao programar uma viagem para o exterior agende a sua consulta no Ambulatório do Viajante, a fim de avaliar sua situação vacinal e tomar as vacinas indicadas. “A prevenção ainda é o melhor método para evitar a disseminação de doenças”, conclui. 

Patrícia Kavamoto