Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/05/21 às 19h50 - Atualizado em 21/05/21 às 19h56

Casos de dengue apresentam queda de 81,5% no Distrito Federal

COMPARTILHAR

Ações contra o mosquito foram intensificadas e vigilância ao mosquito deve começar dentro de casa

 

ADRIANA SILVA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Os casos de dengue no Distrito Federal seguem em queda quando se compara com o mesmo período de 2020. Até o momento, já foram notificados 5.629 casos prováveis da doença, um decréscimo de 81,5%. Considerando a complexidade da infecção pela doença, este ano foram registrados 61 casos com sinais de alarme, 7 graves e cinco óbitos. No mesmo período do ano passado, foram registrados 30.467 casos e 22 óbitos.

 

Ações contra o Aedes aegypti ocorrem diariamente em todo o Distrito Federal – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Os dados são do último boletim epidemiológico, divulgado no dia 21 de maio. Para que os números continuem em queda, a Secretaria de Saúde vem intensificando as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti em todas as Regiões Administrativas do Distrito Federal.

 

De 1° de janeiro a 20 de maio deste ano, foram realizadas 496.526 inspeções em imóveis do DF. Destes, 74.507 estavam fechados e 1.096 se recusaram a receber as equipes da vigilância sanitária. Nos demais, os agentes de Vigilância Ambiental orientaram os moradores e eliminaram possíveis focos e criadouros.

 

A dengue no DF

 

As regiões que mais apresentaram casos prováveis da doença, foram Planaltina com 1.255, seguida por Ceilândia que apresentou 569 casos, Sobradinho (557 casos), Sobradinho II (438 casos) e Paranoá, com 277 casos.

 

Dos óbitos registrados, três foram em moradores de Ceilândia e dois residentes de Planaltina.

 

A luta contra a dengue começa dentro de casa – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

A Secretaria de Saúde segue monitorando os índices da doença e realizando ações de prevenção e conscientização em todo o DF. Além disso, nas regiões com maior incidência é feita aplicação do UBV pesado (fumacê) em horários específicos e programados.

 

Para que os casos permaneçam em queda, é necessário que cada um faça sua parte e mantenha a vigilância contra o Aedes aegypti. A Secretaria de Saúde lembra que a luta contra a dengue começa dentro de casa.