Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/02/13 às 20h02 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Ceilândia treina profissionais para notificar casos de violência

COMPARTILHAR

Em 2012 foram informados 269 casos na cidade

O Programa de Pesquisa, Atendimento e Vigilância às Pessoas em Situação de Violência (PAV) de Ceilândia promoverá na quinta-feira (7 de fevereiro) o 1º Treinamento em Preenchimento de fichas de Notificação Compulsória, nos períodos da manhã e da tarde. Segundo o coordenador do Programa, João Narcizo de Souza Junior, o objetivo do treinamento é capacitar o servidores que fazem o primeiro atendimento a preencher de forma adequada a Ficha de Notificação de suspeita de violências e otimizar o fornecimento de dados para o SINAN (Sistema de Informação de Agravos de Notificação).

Devem participar do treinamento médicos residentes de cirurgia, pediatria e ginecologia; enfermeiros, psicólogos; assistentes sociais; terapeutas ocupacionais; fisioterapeutas e servidores que atuam no pronto atendimento, principalmente nas salas vermelha e amarela. João Narciso informa que estão programados mais três treinamentos em 2013 e todos os profissionais que fazem o primeiro atendimento devem estar preparadas para reconhecer e notificar os casos suspeitos de violência. Em 2012 foram notificados 269 casos.

O PAV de Ceilândia, conhecido como Programa Flor de Lótus, é um serviço referência no atendimento a crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual e aplica metodologias do Centro de Orientação Médico Psicopedagógico (Compp) e do Adolescentro.

O objetivo principal do Flor de Lótus é desenvolver ações de prevenção e atendimento às vítimas de violência visando reduzir os efeitos dessas agressões, pois a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a violência como um grave problema de saúde pública, além de constituir uma violação dos direitos humanos e englobar todo um sistema social.

João Narciso esclarece que o Flor de Lótus faz parte da rede social de Ceilândia, atendendo às demandas dos centros de saúde, pronto socorro pediátrico e adulto, além de receber demandas do Ministério Público, Vara da Infância e Juventude, Compp, Adolescentro, Conselho Regional de Assistência Social (Creas) e Conselho Tutelar. Os atendimentos são realizados seguindo fluxos pré-estabelecidos com objetivo de garantir acesso e qualidade na assistência.

O Flor de Lótus conta com uma com equipe formada por psicólogo, assistente social e enfermeiros. São profissionais especializados para oferecer atendimento humanizado e de qualidade às pessoas que sofreram violência física, psicológica e sexual. O programa, que atende vítimas e seus familiares, realizou 2.231 atendimentos de janeiro a novembro de 2012, entre consultas individuais e trabalhos em grupo.

Atualmente a equipe do Flor de Lótus está participando de um treinamento para atuar junto a ofensores sexuais, promovido pelo Compp em parceria com o Ministério da Justiça.

Regina Célia