Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/08/16 às 18h08 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

Centro da 905 Norte lança Circuito Multissensorial para idosos

COMPARTILHAR

Objetivo é  melhorar o equilíbrio.Também serão dadas orientaçoes sobre como usar as academias ao ar livre

BRASÍLIA (22/8/16) – Uma palestra sobre prevenção de quedas marcou o lançamento do projeto Circuito Multissensorial, no centro de saúde da 905 Norte, nesta segunda-feira (22). Destinada aos idosos, a ação consiste em exercícios promovidos com cordas, cama elástica e outros acessórios que fortalecem a musculatura e, com isso, melhoram o equilíbrio para caminhar e fazer atividades rotineiras.

O Circuito Multissensorial é baseado em uma dissertação da Universidade de Brasília e começou a ser implantado em outras unidades de saúde em 2015. Além deste projeto, a comunidade acima de 60 anos também receberá orientações sobre como usar corretamente as academias ao ar livre, denominadas Ponto de Encontro Comunitário (PEC). As atividades ocorrerão duas vezes por semana, durante dois meses.

“Com o Circuito Multissensorial, nosso objetivo é fortalecer a musculatura para reduzir o risco de quedas. Já as atividades nos PECs são para que os idosos façam os exercícios adequadamente, sem provocar lesões por executarem movimentos errados ou rápidos demais”, informou a terapeuta ocupacional da Coordenação da Saúde do Idoso da Secretaria de Saúde, Ângela Maria Sacramento.

CIRCUITO – Cada circuito possui entre 10 a 12 estações, que são montadas de acordo com a dificuldade e capacitação que o idoso apresenta na avaliação feita previamente. São utilizados cama elástica, cordas, step e balance. Serão aproximadamente dois meses de exercício. Após esse período, o paciente é reavaliado e, dependendo de cada caso, haverá encaminhamento para outras atividades como, por exemplo, práticas integrativas realizadas no próprio centro de saúde ou para Centros Olímpicos.

“Nós mudamos as estações conforme o paciente avança no tratamento. Algumas trabalham a flexibilidade do joelho e fortalecimento da musculatura. Em algumas, o idoso tem que andar sobre uma linha na ponta do pé ou calcanhares e permanecer em apoio sobre a cama elástica”, disse a coordenadora.

Terezinha Maria Marra, 66 anos, mora na Asa Norte e sofre com osteoporose grave. Em apenas um ano, foi necessário ser submetida a três vezes a engessamento por sofrer fraturas.

“Essa aula foi muito importante porque acrescenta muitas informações. Eu já leio muito sobre os cuidados que precisamos ter dentro de casa, porque a queda ocorre muito rápido. Por isso, para mim, é fundamental ter essas informações e realizar esses exercícios que vamos começar”.

A aposentada Carmem Mendes, 65 anos, moradora da Asa Norte, também reconhece a importância da ação. “Qualquer atividade física é importante para todas as pessoas, em todas as idades, mas principalmente para os idosos. Esse projeto é importante porque começam a ter limitações e, muitas vezes, não aceitam”, finalizou.

As aulas ocorrerão segundas e quartas-feiras, sendo das 8h às 9h as atividades no PEC que ficam no interior do centro de saúde, e das 9h30 às 10h30, o circuito multissensorial na tenda onde ocorrem as práticas integrativas.

PREVENÇÃO DE QUEDAS – Os cuidados devem começar em casa. Segundo a terapeuta ocupacional, é importante optar por tapetes antiderrapantes. Além disso, quarto, cozinha e sala devem ser os ambientes mais bem iluminados da casa, já que há maior chance de acidentes devido ao número de mobiliário e objetos. Para quem convive com netos, é necessário evitar brinquedos espalhados.

Quanto aos móveis que tem compartimentos fechados, é importante optar por aqueles que são fáceis de abrir, como portas de correr ou aquelas com puxadores. Outra dica, que serve para todos os cômodos, é guardar objetos de uso mais frequentes em locais de mais fácil acesso, não em locais muito baixos, nem muito altos. Nas portas, as maçanetas dificultam a abertura, principalmente, se a mão estiver escorregadia. Quanto aos pisos, é preferível os antiderrapantes ou foscos.

No quarto, é importante ter telefone próximo da cama para facilitar o acesso, bem como uso de abajur. Televisões nesse ambiente não são recomendadas, já que dificulta a socialização entre os familiares e, quando ficam ligadas à noite, inibem o hormônio do sono devido à luz da tela.

Na cozinha, o recomendado é evitar subir em bancos para pegar os utensílios. O melhor é usar escadas com borrachas aderentes. Para evitar lesões na coluna ou nos ombros, a pia deve ser instalada em uma altura que fique aproximadamente dois dedos acima do umbigo. O fogão deve ter a mesma medida.

Na sala, é preferível móveis com pontas arredondadas, que causam lesões menores em caso de acidentes. No banheiro, onde ocorre grande parte dos acidentes, o vaso deve medir 43 centímetros para facilitar os movimentos de sentar e levantar.

Veja as fotos aqui