Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
29/12/17 às 13h35 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Cuidados simples podem evitar casos de intoxicação alimentar nos festejos

COMPARTILHAR

É preciso estar atento desde o momento da compra até e após a preparação do prato

BRASÍLIA (29/12/17) – É difícil não se sentir atraído pela variedade de comidas servidas tradicionalmente nas festas de fim de ano. Mas é necessário tomar alguns cuidados para consumir os alimentos em condições adequadas e, assim, evitar a intoxicação alimentar. A dica é do gerente de Alimentos da Secretaria de Saúde do DF, André Godoy.

Segundo ele, as principais causas para que um alimento se torne impróprio para o consumo, geralmente são: temperatura de conservação inadequada, falta de higiene em seu preparo e/ou conservação, e utilização de alimentos de origem duvidosa, principalmente perecíveis.

“Os consumidores devem adquirir alimentos com embalagens intactas. Pernil, chester e peru congelados nos supermercados devem estar sem acúmulo de água. Uma dica é observar a embalagem, porque se estiver deformada é sinal de que o produto já foi congelado e descongelado novamente. Além disso, produtos de carne, leite, peixe devem ser registrados na órgãos oficiais de agricultura, por isso, é necessário verificar a rotulagem”, esclareceu.

Os pescados devem estar com escamas sem soltar, carne com elasticidade, olhos e guelras brilhantes. Para comprar castanhas, amendoins e sementes é importante verificar se há bolores (mofos), o que permite a produção de toxinas.

Para quem vai encomendar a fabricação da comida, é necessário observar se a higiene do local onde será feita a comida é limpo, bem como se os manipuladores estão equipados, com cabelo protegido e jaleco limpo para evitar possíveis contaminações.

“É preciso ter cuidado com estabelecimentos que não produzem refeições normalmente e resolvem vender pratos. A cozinha pode não ser apropriada para o volume”, alerta.

Godoy ressalta que, após os alimento prontos, outra dica é não deixá-los sobre a mesa sem proteção e sem controle de temperatura, principalmente se tiver perecíveis (ovos, maionese, carnes). Isso porque bactérias como Salmonella, Bacillus e Staphylococcus se multiplicam em temperaturas de 20 a 50º.

“O ideal é servir o alimento para ser consumido logo após o cozimento. Caso isso não ocorra, deve-se mantê-lo quente (acima de 60 graus) ou em geladeira até o momento de servir, o que retarda a multiplicação das bactérias”, orientou o gerente, lembrando que, caso o consumidor desconfie da qualidade dos produtos, poderá denunciar na ouvidoria do DF.