Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/09/20 às 14h55 - Atualizado em 11/09/20 às 15h05

Gatos são os principais vetores da toxoplasmose

COMPARTILHAR

Doença deve ser investigada no período do pré-natal

 

JOSIANE CANTERLE, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

Quem não se rende ao charme dos bichanos: fofinhos, dengosos, outros ariscos, mas sempre encantadores e independentes. Essa fofura toda esconde um perigo para a saúde humana: a toxoplasmose. É uma doença muito comum no mundo todo e tem sua principal origem nas fezes dos gatos e a sua prevenção é simples: fazer a vermifugação dos animais e priorizar a higiene das mãos e alimentos.

 

Felino é hospedeiro de um parasita que é eliminado nas fezes. O contato com as fezes pode contaminar humanos Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

A toxoplasmose adquire especial relevância para a saúde pública quando a mulher se infecta, pela primeira vez, durante a gestação pelo risco elevado de transmissão vertical e acometimento fetal e são esses os casos de notificação compulsória para o Ministério da Saúde.

 

Em 2017 foram notificadas 20 gestantes e em relação a toxoplasmose congênita, foram notificados 31 recém-nascidos. 90,3% moravam na zona urbana. Já em 2019 o número de notificações de gestantes contaminadas pelo protozoário foi 103, e 108 recém-nascidos. Também aumentou a porcentagem de infecção na área urbana, que chegou a marca de 93%.

 

Transmissão

 

Arte: Rafael Ottoni/SES-DF

A taxoplasmose é uma zoonose causada por um protozoário que se chama Toxoplasma Gondii. Esse parasita está presente na musculatura de uma série de animais como cães, gatos, bovinos, porcos, equinos e até aves. “O único animal capaz de transmitir, eliminar a forma infectante desse protozoário no meio ambiente é o gato através das fezes. E como o felino tem a característica de fazer as necessidades em locais de terra ou areia as pessoas podem se contaminar fazendo atividades como jardinagem, ou porventura até plantando e colhendo alimentos onde esses animais utilizam como banheiro”, alerta o Rodrigo Menna Barreto Rodrigues, gerente Ambiental de Zoonoses.

 

Nos outros animais, como o parasita fica na musculatura, a contaminação acontece na manipulação ou ingestão da carne crua ou malcozida. “A orientação é não consumir a carne de procedência duvidosa e a forma de eliminar o protozoário da carne é cozinhando bem”, orienta o veterinário. Também é importante lavar bem as mãos e os utensílios e superfícies onde a carne foi manipulada.

 

Rodrigo explica, ainda, que na maioria das vezes os gatos adquirem o Toxoplasma Gondii ao caçar e comer pássaros, que carregam em seus músculos o protozoário, “por isso é importante manter os felinos sempre bem alimentados, para que eles capturem as aves mas não as comam”. Para evitar que os gatos tenham o protozoário no seu organismo é necessário fazer a vermifugação duas vezes por ano.

 

Sintomas

 

Os sintomas da toxoplasmose variam conforme o estágio da infecção. A pessoa infectada pela primeira vez não apresenta sintomas. Nos casos sintomáticos, geralmente são leves, similares a uma síndrome gripal, os sintomas podem incluir dores musculares e alteração nos gânglios linfáticos. A maioria dos pacientes infectados pela primeira vez não apresenta sintomas. Em outros estágios pode deixar sequelas nos casos de infecção congênita, quando transmitida das gestantes para os bebês; toxoplasmose ocular e toxoplasmose cerebral em pessoas que têm o sistema imunológico enfraquecido, como transplantados, pacientes infectados com o HIV ou em tratamento oncológico.

 

Nos casos de baixa imunidade, podem aparecer sintomas mais graves como febre, dor de cabeça, confusão mental, falta de coordenação e convulsões. Quanto às gestantes, o primeiro contágio durante a gravidez promove o risco de ter abortamento ou nascimento de criança com icterícia, macrocefalia, e crises convulsivas.

 

Diagnóstico

 

No pré-natal está previsto o rastreamento sorológico para identificar gestantes suscetíveis à toxoplasmose e detectar precocemente os casos de infecção aguda recente, principalmente no início do primeiro trimestre, para instituir a orientação terapêutica visando prevenir a transmissão fetal por meio de tratamento oportuno.

 

Uma dos exames que pode diagnosticar a toxoplasmose em recém-nascidos é o teste do pezinho, mais uma doença incluída desde 2013 na triagem dos exames no Distrito Federal. O teste realizado no DF é capaz de identificar 30 doenças diferentes e deve ser feito depois das primeiras 48 horas de vida até o 5º dia.

 

Teste do pezinho pode identificar a taxoplasmose em bebês – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde DF

A toxoplasmose congênita pode causar aborto e danos neurológicos e/ou oculares ao feto, incluindo a micro ou macrocefalia, hidrocefalia, calcificações cerebrais, retardo mental, estrabismo e convulsões. “Muitas crianças ao nascer não apresentam manifestações da doença, desenvolvendo sequelas na infância ou adolescência, sendo a coriorretinite principal causa de cegueira em crianças com toxoplasmose congênita”, explica a enfermeira Rosa Maria Mossri, que atua na Área Técnica da Vigilância Epidemiológica das Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar.

 

A doença tem cura, mas o parasita permanece no organismo por toda a vida da pessoa e pode se manifestar em outros momentos. Ela pode aparecer na forma aguda ou crônica. A toxoplasmose não é contagiosa e não passa de uma pessoa para outra.

Tratamento

 

O paciente que tiver suspeita de contaminação pelo parasita deve buscar atendimento nas unidades básicas de saúde ao aparecerem os primeiros sintomas. As gestantes têm o acompanhamento durante o pré-natal recebendo todas as orientações necessárias pelas equipes de saúde. “O tratamento e acompanhamento da doença estão disponíveis, de forma integral, pelo Sistema Único de Saúde”, lembra Rosa Maria.

 

Um dos diferenciais do DF no tratamento da toxoplasmose é oferecer medicação para os recém-nascidos. Isso só é possível porque a medicação recebida do Ministério da Saúde é manipulada pela farmácia técnica do Hospital Regional de Taguatinga, permitindo o consumo da substância em dose adequada pelos recém-nascidos.

 

Vigilância Ambiental

 

O trabalho da Vigilância Ambiental dá-se no âmbito da educação da população e de investigação quando notificada pela Vigilância Epidemiológica. Equipe da ambiental vai até o local informado, verifica se há presença de gatos para identificar se o local indicado pelo paciente é realmente o da contaminação. A área não realiza exame nos animais levados pelos donos até a zoonoses.

Contexto

 

A toxoplasmose é uma das zoonoses mais comuns em todo o mundo. O Brasil apresenta uma das maiores taxas de prevalência, de acordo com relatório do Ministério da Saúde. Mais de 50% da população em idade escolar e de 50% a 80% das mulheres em idade fértil apresentam anticorpos para a doença, ou seja, já foram expostos ao parasita em algum momento da vida. A estimativa é de que entre 20% e 50% das mulheres estão suscetíveis à contaminação durante a gestação. Sem tratamento, a chance de desenvolver a doença congênita é de 44%, reduzindo para 29% quando tratada de maneira adequada no pré-natal.

 

Somente a partir de 2018 o Ministério de Saúde definiu protocolos e orientações técnicas para os estados sobre diagnóstico, notificação e tratamento da toxoplasmose, o que permitiu a identificação de mais casos. Com esses protocolos, a Secretaria de Saúde do DF também pode emitir Nota Técnica sobre a doença e fortalecer as orientações para as equipes e unidades de saúde, reforçando a importância de notificar os casos, bem como o tratamento a esses pacientes.

 

Como evitar a Toxoplasmose

 

• Lavar as mãos com água corrente e sabão ao manipular alimentos;
• Lavar bem frutas, legumes e verduras antes de ingeri-los;
• Evitar a ingestão de carnes cruas, mal cozidas ou mal passadas, incluindo embutidos;
• Evitar manuseio direto com solo, incluindo jardins, parques, caso seja necessário, usar luvas e lavar bem as mãos após a atividade;
• Evitar o contato com fezes de gato;
• Após manusear a carne crua, lavar bem as mãos e toda a superfície;
• Não consumir leite e seus derivados crus, não pasteurizados;
• A caixa de areia dos gatos deve ser limpa diariamente utilizando luvas e pás de lixo;
• Alimentar os gatos com carne cozida ou ração, não permitindo que eles façam a ingestão de animais caçados;
• Lavar bem as mãos após o contato com os animais, sempre utilizando água corrente e sabão.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA