Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/01/13 às 14h51 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Triplica o número de vagas na UTI de Neurotrauma do Hospital de Base

COMPARTILHAR

Com a ampliação da ala, os leitos passaram de 8 para 27

O programa S.O.S Emergências, do Ministério da Saúde, qualificou positivamente a gestão e o atendimento no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Uma das principais melhorias na unidade foi a redução de 30% na taxa de ocupação, saindo de 151%, em março, para 105%, entre os meses de agosto e outubro. Também houve a disponibilidade de 115 leitos de retaguarda no próprio hospital, para emergências, ampliando de oito para 27 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto (neurotrauma). O hospital implantou ainda um Sistema de Videomonitoramento, com instalação de 12 câmeras, que permite acompanhar e avaliar o atendimento realizado no pronto-socorro do hospital.

Foram investidos R$ 7,1 milhões para qualificar e ampliar o serviço de emergência no HBDF, comprar equipamentos e instalar o Sistema de Videomonitoramento. O sistema de vigilância permite identificar os principais gargalos da emergência do hospital e perceber, por exemplo, os fluxos de atendimentos que devem ser melhorados.

O Hospital de Base ganhou reforço de mais duas salas cirúrgicas, totalizando dez salas. Com isso, registrou-se aumento de 12% (100 procedimentos/mês) no número de cirurgias, com redução do tempo de espera. De maio de 2011 e o mesmo mês em 2012, houve aumento de 42%, passando de 794 para 1.126 cirurgias.  Além disso, todos os pacientes passaram a ser classificados pelo grau de risco de morte, por meio do sistema de acolhimento com classificação de risco – 24 horas. A iniciativa busca qualificar o atendimento do usuário na porta de entrada. Após esta classificação, o paciente é encaminhado às especialidades, de acordo com sua necessidade e a gravidade.

Na avaliação do diretor-geral do HBDF, Julival Ribeiro, o usuário ganha muito com o bom relacionamento entre os governos. “A parceria da Secretaria de Saúde do DF com o Ministério da Saúde foi um grande estímulo para ajudarmos a lidar com um dos maiores problemas do hospital, que é a superlotação da emergência”, destaca Julival. Ainda de acordo com ele, com a melhoria da gestão foi possível realizar grandes avanços, como aumentar o número de consultas, diminuir o tempo de permanência do paciente na emergência e informatizar o hospital.

Para aprimorar este processo de qualificar o atendimento na porta de entrada e ordenar o fluxo de pacientes na urgência, equipes de enfermeiros do HBDF foram capacitados pelo Grupo Brasileiro de Classificação de Risco no Protocolo de Classificação de Manchester. Por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Único de Saúde (PROADI SUS), o hospital tem recebido apoio técnico, com capacitação de profissionais, e repasse de tecnologia do Hospital Alemão Osvaldo Cruz (um dos seis hospitais de excelência do país).

Os pacientes do Distrito Federal também passaram a contar com o centro de atendimento a paciente com problemas neurocardiovasculares, com 11 leitos – sendo três na sala vermelha, três na amarela e cinco na ala intermediária. Outro avanço foi a aquisição e instalação do novo aparelho para hemodinâmica, prevendo ampliar em 35% o número de exames de angioplastia, cateterismo e arteriografia, por exemplo.

José Roberto Bueno