Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/04/14 às 20h54 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Hemocentro abre novos serviços no Dia Mundial de Hemofilia

COMPARTILHAR

Consultório odontológico e Centro Tratador de Coagulopatias Hereditárias

 

O Dia Mundial da Hemofilia (17 de abril) foi lembrado pela Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) promovendo um evento que reuniu pacientes e familiares, profissionais de saúde, gestores locais e nacionais e representantes da Federação Brasileira de Hemofilia. O evento foi realizado hoje, no auditório da instituição e contou com palestras educativas, debates, visitas ao Centro Tratador de Coagulopatias Hereditárias, além de comunicado sobre novos serviços.

A diretora-presidente do Hemocentro, Beatriz Mac Dowell Soares agradeceu a presença de todos e falou sobre os avanços no tratamento e assistência aos portadores de hemofilia no Distrito Federal. “A inauguração do consultório de odontologia é uma conquista para os pacientes. O local é exclusivo para o tratamento dos portadores de coagulopatias hereditárias. Além disso, passamos a ter a abertura da agenda para consultas psicológicas. Hoje com a chegada recente de uma psicóloga a equipe está completa”, disse a diretora.

Beatriz fez questão de ressaltar que os avanços conquistados pelo Hemocentro de Brasília foram resultados de uma luta de três anos. “Contamos com o apoio incondicional do governador Agnelo Queiroz, que como médico e conhecedor da importância das políticas de saúde, sempre esteve ao nosso lado e o então Secretário de Saúde, Rafael Barbosa que trouxe melhorias do serviço aos nossos pacientes. Não poderia também deixar de agradecer à nossa equipe comprometida, responsável e a confiança de todos que acreditaram no nosso trabalho”, falou a diretora do Hemocentro.

Logo em seguida foi a vez da coordenadora da Coordenação Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde (CGSH/MS), Maria de Fátima Montoril agradecer o convite por ter a oportunidade de participar de um evento tão importante: ”Quero cumprimentar tratadores, pacientes e representantes de associações e do controle social. Trabalho há anos com o Programa de Coagulopatias Hereditárias e vejo aqui avanços e pessoas comprometidas com seus pacientes. Fizemos um fórum com representantes de todo o país para fazer a Política de Coagulopatias no Brasil. Que este trabalho sirva de exemplo para construirmos outras políticas de saúde. Luto e acredito no SUS”, encerrou Maria de Fátima.

A presidente da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH), Tânia Pietrobelli, destacou o Hemocentro como o melhor cento tratador de portadores de coagulopatias hereditárias do país. “Fizemos questão de trazer os representantes das associações filiadas à FBH para mostrar todo o trabalho de excelência realizado pelo Hemocentro de Brasília. Ontem, no Ministério da Saúde, recebemos um elogio por estarmos conseguindo que nossas associações cresçam e lutem conosco. Queremos que todos tenham o melhor tratamento e vamos defender isso , disse Tânia.

Após as palestras que trataram de assuntos relativos às conquistas, atendimento e procedimentos para os portadores de coagulopatias hereditárias foi aberto um debate para que os presentes pudessem tirar suas dúvidas e fazer comentários.

Vania Satto, de Petrolina (PE), fez questão de comentar o quanto estava feliz em poder participar de um evento tão informativo “O que acontece aqui no Hemocentro de Brasília é o que todos nós temos direito. Parabéns a vocês que fizeram acontecer, que conseguiram oferecer aos hemofílicos um excelente atendimento. Acredito que independente de política, existe uma lei e que todo o Brasil pode conseguir o melhor para seus pacientes”, disse ela emocionada.

Após o encerramento do debate, a Federação Brasileira de Hemofilia entregou uma placa referente ao “ 1 º Prêmio Leandro Guimarães”, “ por alcançar 7,22 UI per capita no consumo de fator VIII e por ser o Centro de Tratamento de Hemofilia pioneiro e único no Brasil na entrega domiciliar de fatores da coagulação“ à diretora-presidente da Fundação Hemocentro de Brasília, Beatriz Mac Dowell Soares.

Para encerrar o evento as pessoas fizeram uma visita às instalações físicas do Centro Tratador de Coagulopatias Hereditárias, participaram da inauguração do consultório de odontologia e depois soltaram balões coloridos para lembrar o Dia Mundial da Hemofilia.

Por Lena Nardelli, da Agência da Saúde DF

Leia também...