Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/05/14 às 17h17 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

HMIB participa de mutirão nacional de cirurgia pediátrica

COMPARTILHAR

30 crianças diagnosticadas com hérnia inguinal serão beneficiadas

O Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) participará, neste sábado (10), do VIII Mutirão Nacional de Cirurgia da Criança 2014, promovido pela Associação Brasileira de Cirurgia Pediátrica (Cipe). Serão beneficiadas 30 crianças que aguardavam na fila.

De acordo com a Cipe, os mutirões ocorrem anualmente e a iniciativa de caráter social tem como objetivo reduzir as filas de espera de crianças e adolescentes com indicação cirúrgica. A adesão foi aberta a todos os serviços de saúde do país. A participação era voluntária e bastava entrar em contato com a Associação. O HMIB e o Hospital da Criança serão os representantes do Distrito Federal.

Segundo a coordenadora-geral de Saúde da Asa Sul, Roselle Bugarin Steenhouwer, na rotina hospitalar é necessário priorizar as cirurgias mais complexas o que acaba aumentando a fila para procedimentos mais simples. Como a correção da hérnia é uma intervenção considerada simples e não precisa de internação, é dada preferência nos momentos de mutirão para agilizar a demanda reprimida.

“A participação do HMIB já se tornou uma tradição. Perto do dia das mães esse é o maior presente que um cirurgião pediátrico pode dar: qualidade de vida para essa criança e seu núcleo familiar”, disse Roselle.

Uma equipe de 20 pessoas entre cirurgiões, anestesistas, enfermeiros e técnicos foi mobilizada para participar do mutirão. Atualmente há uma fila no HMIB de 50 crianças para cirurgia, além de outras mil crianças que aguardam a primeira consulta.

Saiba mais:
O último mutirão foi realizado em 2013. Foram oferecidos 21 serviços em oito estados, além do Distrito Federal. De 2007 a 2013, mais de quatro mil crianças já passaram pelos mutirões, sendo o maior número registrado em 2010, com 862 pacientes atendidos.

Fonte: http://www.cipe.org.br

Ana Luiza Greca da Cunha, da Agência Saúde DF