Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/03/16 às 18h32 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

HMIB sedia Simpósio inédito no DF

COMPARTILHAR

Tema será dieta diferenciada para tratar epilepsias refratárias na infância

BRASÍLIA (9/3/16) – O Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib) recebe, às 8h30 deste sábado (12), o 1º Simpósio de Dieta Cetogênica e outras abordagens terapêuticas nas epilepsias refratárias. Com o objetivo de apresentar à sociedade médica uma opção de tratamento na infância para esta doença, o evento é gratuito e tem vagas limitadas. As inscrições devem ser feitas pelo e-mail: simposiodietacetogenica@gmail.com.

Segundo a médica Ludmila Uchôa, neuropediatra e organizadora do evento, o Brasil tem, no mínimo, 3 milhões de pacientes com epilepsia e 300 novos casos por dia. Estima-se que 20-30% são refratários e mais de 40% não recebem tratamento adequado. No DF, são em torno de 50 mil pacientes com epilepsia.

“A epilepsia é uma condição neurológica crônica grave, com grande impacto psico-sócio-econômico”, explica a médica. Nos casos de difícil controle, geram gastos com medicações de custo elevado, internações por descompensações de crises, internações em UTI por estado de mal epiléptico, que pode levar a sequelas permanentes, como motora e cognitiva.

BENEFÍCIOS- Ela diz que a dieta normoproteica rica em gordura e pobre em carboidrato é uma opção de tratamento, junto ou separada do VNS (Vagus Nerve Stimulation), para casos não-cirúrgicos, utilizada desde 1920 em vários locais do mundo”, explica a médica. Ela diz que a dieta é realizada através de alimentos ricos em gorduras, pobres em proteínas e carboidratos. Para obter os efeitos desejados é preciso muito comprometimento familiar e acompanhamento clínico de um neuropediatra e um nutricionista com expertise na área.

“Mais de 50% das crianças que utilizam essa dieta tem mais de 50% de diminuição das crises epilépticas e 15% a 20% podem ficar livres de crises”, esclarece a médica.

Os benefícios alcançados não isentam o paciente dos efeitos colaterais. Os mais comuns são vômitos e constipação intestinal. Esta outra possibilidade de tratamento e prevenção, proporciona uma melhor qualidade de vida para criança e a família.