Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/09/17 às 18h43 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Hospitais públicos fizeram mais de 33 mil testes da orelhinha em 2016

COMPARTILHAR

Número corresponde a cerca de 91% de cobertura da triagem auditiva nos bebês nascidos em hospitais públicos

BRASÍLIA (27/9/17) – O Dia Nacional do Surdo, celebrado nesta terça-feira (26), é comemorado no Distrito Federal com a realização de aproximadamente 33,6 mil testes da orelhinha por ano, segundo o último balanço referente a 2016. O exame é realizado na rede pública de saúde do DF, em caráter universal (com ou sem Indicador de Risco para Deficiência Auditiva (IRDA)).

“Neste período, a cobertura da triagem auditiva ficou em torno de 91% e foram triados, aproximadamente , 2,8 mil bebês por mês. A ação é desenvolvida nos 11 hospitais com maternidade”, disse a coordenadora de Fonoaudiologia, Christianny França.

Os hospitais que oferecem o serviço são: Asa Norte, Materno Infantil, Leste (Paranoá), Sobradinho, Planaltina, Ceilândia, Taguatinga, Samambaia, Brazlândia, Santa Maria e Gama. Os bebês nascidos na Casa de Parto São Sebastião são referenciados para o Paranoá.

O exame é simples, rápido e indolor e consiste na inserção de um pequeno fone na orelha do bebê que, ao transmitir os dados para um aparelho portátil, emite sons e capta a resposta ao estímulo produzido para verificar se a criança tem ou não integridade coclear ou audição.

O Teste da Orelhinha é realizado prioritariamente antes alta hospitalar. Caso não seja possível, o recém nascido poderá ser avaliado, em caráter ambulatorial, na própria regional de seu nascimento ou de sua moradia, preferencialmente no primeiro mês de vida ou até os 3 meses de idade, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde.

DATA – O dia Dia Nacional do Surdo representa uma oportunidade para debater as condições de vida das pessoas com deficiência auditiva. A data – oficializada pela Lei nº 11.796, de 29 de outubro de 2008 – lembra a criação da primeira Escola de Surdos no Brasil na cidade de Rio de Janeiro, em 26 de setembro de 1857. Na época, o Imperador Dom Pedro II convidou o professor surdo E. Huet, da França, a vir ao Brasil dar aulas para crianças surdas.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. Desse total, 2.147.366 milhões apresentam deficiência auditiva severa.