Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/10/12 às 17h24 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Hran realiza primeira cirurgia de cura do diabetes

COMPARTILHAR

A Regional de Saúde da Asa Norte (Hran) realizou, há 20 dias, a primeira cirurgia para tratamento do diabetes Mellitus (tipo II) com sucesso. A cirurgia teve o mesmo procedimento da cirurgia bariátrica, conforme esclarece o cirurgião Renato Lima. “Mantemos a maior parte do estômago do paciente e maior desvio do intestino, acarretando em produção de hormônios que estimulam o pâncreas a produzir insulina”. A cirurgia realizada com a videolaparoscopia, sem cortes, durou uma hora. Os efeitos benéficos já estão sendo sentidos pelo paciente Elias Bonifácio Alves, de 40 anos.

Antes de se submeter ao procedimento, o paciente pesava 94 quilos, tinha uma glicemia acima dos 400 mg e pressão arterial acima dos 14 por 10. Fazia uso de insulina e tomava remédios para controle da pressão. Atualmente, ele se encontra em acompanhamento ambulatorial pela equipe de médicos e nutricionista, já perdeu mais de dez quilos e alguns sintomas que sentia antes da cirurgia, como a apnéia do sono.

“Eu procurei a Unidade de Cirurgia Bariátrica para reduzir o estômago, mas fiquei sabendo que havia um procedimento da cura do diabetes, por meio de uma cirurgia desabsortiva, onde o sucesso dependeria de mim. Agora, estou com a glicemia em 110 mg e a pressão arterial por volta de 11 por 7. Hoje, eu tenho a sensação de que poderei viver 30 anos ou mais, pois antes imagina que viveria uns dez anos, apenas”. Elias lembra que perdeu os pais muito cedo, devido a serem portadores do diabetes.

“Estar livre dos maleficios causados pelo diabetes como a cegueira, infarto, insuficiência renal, vasculopatias, feridas, hipertensão e restrinções alimentares são os beneficios que a cirurgia hormonal traz ao paciente”, afirma o médico Renato Lima.

Para a realização do procedimento existem alguns critérios. Segundo o cirurgião Renato Lima, o paciente tem que ter diagnótico de diabetes tipo II, os exames precisam comprovar reserva pancreática em funcionamento, além de o paciente passar pela avaliação da equipe composta por cirurgião, endocrinologista e nutricionista. De acordo com o médico, o sucesso da cirurgia, depende muito do paciente em manter o peso adequado e hábitos saudáveis de vida.

Júlio Duarte