Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/04/13 às 16h22 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

HRT é o primeiro hospital público do país a implantar Sistema Contínuo de Insulina

COMPARTILHAR

Unidade de Endocrinologia é pioneira no atendimento

 

O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) realiza atendimento do Sistema Contínuo de Insulina (SIC), que consiste na instalação de bomba de infusão de insulina em paciente diabético. Com esse atendimento, o HRT se tornou o primeiro hospital público do país a realizar o procedimento e fornecer os insumos (equipamento, cateteres, cartucho de insulina etc.) necessários para que o paciente possa utilizar o sistema continuamente. Toda a assistência endocrinológica foi baseada no protocolo da Sociedade Brasileira de Diabetes, Associação Americana de Diabetes e artigos científicos europeus.

Com a utilização da bomba, o paciente monitora os seus níveis de glicose 24 horas por dia, configura as doses da sua insulina de acordo com as suas necessidades e faz ajustes conforme a ingestão de alimentos e programa de exercícios. As bombas são equipamentos pequenos e portáteis que liberam insulina, de ação rápida, diretamente no organismo do paciente, controlando a taxa de açúcar no sangue.

Para participar do atendimento no ambulatório do SIC, o paciente deverá preencher alguns requisitos: ser encaminhado por médico do Sistema Único de Saúde (SUS) ou da rede privada para a Subsecretaria de Atenção Primária em Saúde/SAPS/SES-DF, ter participado de adequação do tratamento indicado pelo médico assistente, e estar realizando tratamento endocrinológico adequado, mas continua apresentando descontrole glicêmico ou episódios de hipoglicemias.

Diabética desde os oito meses de vida, a paciente Renata Moraes Oliveira, 36 anos, destaca a importância da terapêutica do SIC. ”Há cinco anos uso a bomba de insulina fornecida pela SES-DF e tenho notado importante mudança no tratamento. Antes, eu sentia hipoglicemia, frequentemente. Agora, com esse novo método tenho controlado melhor as minhas taxas de glicose. Isso me ajuda a ter uma vida mais saudável.”

Segundo o coordenador-geral de Saúde de Taguatinga, Otávio Augusto de Siqueira, a realização do serviço é um avanço no tratamento do paciente diabético. “A utilização de um recurso tecnológico como o SIC é um grande ganho para o paciente, com reflexo direto na sua qualidade de vida”, destaca o gestor.

De acordo com a vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes e Coordenadora Científica do Pólo de Pesquisa do HRT, Hermelinda Cordeiro Pedrosa, o ambulatório do SIC é uma terapia considerada padrão “ouro” para os pacientes com diabete já tratada. “O atendimento do SIC na rede de Saúde do DF é altamente positivo, não somente na comunidade de endocrinologia nacional, como internacional. Sem dúvida, a experiência de Brasília tem se apresentado como um importante modelo de assistência ao paciente diabético”, disse a médica.

Em 2012, a Unidade de Endocrinologia/HRT realizou 379 atendimentos pelo SIC. Devido à grande demanda e sucesso no procedimento, a coordenação de Endocrinologia da SES-DF prepara o próprio Protocolo clínico de atendimento, que já está em fase de publicação.

 

Histórico:

Em 2008, a Coordenação de Diabetes da SES-DF, após cumprir inúmeros mandados judiciais de instalação do SIC, verificou que a maioria dos casos não preenchia os critérios clínicos para sua utilização. Na época, a coordenação realizou estudo em um grupo de 15 pacientes e constatou que um terço dos pacientes não estava habilitado e as indicações eram inadequadas. Desde então, os profissionais continuaram com as pesquisas para instituição do protocolo de atendimento do SIC.

Entre 2009 a 2012, os profissionais, após realizarem avaliação clinica nos pacientes encaminhados, verificaram que o percentual de exclusão era de 25% dos casos, ou seja, um em cada quatro pacientes não atendia aos critérios básicos, no que representava  correta indicação clinica na utilização do SIC e significativa economia para o Estado.

 

Claudete Nascimento