Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/08/16 às 19h08 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

ICDF dobra número transplantes no primeiro semestre

COMPARTILHAR

O fígado foi o órgão mais transplantado em 2015 e 2016.

BRASÍLIA (9/08/16) – O Instituto de Cardiologia do Distrito Federal – ICDF – obteve um crescimento expressivo no número de transplantes de órgãos realizados nos seis primeiros meses do ano. De janeiro a julho de 2016, foram realizados 152 transplantes no hospital sendo que, no mesmo período de 2015, foram feitos 75 transplantes. O fígado foi o órgão mais transplantado nos dois anos: em 2016 foram 37 transplantes e em 2015 foram 24 transplantes.

Até agora, 723 pacientes já passaram por alguma cirurgia de transplante na instituição. O primeiro transplante realizado no hospital foi de coração, no ano de 2009. O ICDF faz atualmente transplante cardíaco, renal, de medula óssea, de córnea, de fígado e de rim. No Distrito Federal, é o único hospital que promove transplante de coração. Apesar de o ICDF não ser não ser um hospital público, a maioria dos transplantes são feitos em pacientes do Sistema Único de Saúde – SUS.

Os números são reflexos de uma realidade concreta. Jane Fernandes Batista comemorou nesta quinta-feira (04) duas conquistas: seu aniversário de 57 anos e a alta hospitalar após o transplante de medula óssea. Desde 2012, Jane vinha lutando contra o Linfoma de Hodgkin, uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático. “Agora eu vou começar a viver de novo. Não quero fazer planos, pensar lá na frente. Eu gosto de viver um dia de cada vez. Eu quero curtir minha vida e voltar a tocar. Eu tô muito feliz, eu amo o ICDF,” celebra Jane.

O cearense Francisco Augusto Costa da Silva, 29 anos, ganhou um coração novo em janeiro desde ano. Ele já não se recorda dos momentos difíceis que passou antes da cirurgia. “No começo eu tive muitas dúvidas, não sabia o que era transplante. Até me desanimei. Depois de tudo o que passei, eu tô bem melhor, não sinto mais falta de ar, não sinto dor”, afirma. “O transplante de órgãos é muito importante, salvou muitas vidas, inclusive a minha. Nunca percam a esperança, tenham fé em Deus que vai dar tudo certo”, destaca Francisco.

A superintendente do ICDF, Núbia Welerson Vieira, acredita que os transplantes poderão aumentar mais após a edição do decreto 8.783, que prevê a utilização de aeronaves da Força Aérea Brasileira – FAB – para o transporte de órgãos, tecidos e partes do corpo humano. “Nosso país tem um território muito vasto, o que às vezes pode dificultar o transporte de órgãos. Com essa medida, no entanto, esperamos que mais vidas possam ser salvas tendo em vista a agilidade de deslocamento que a FAB possui”, pontua Núbia.

SERVIÇO 

Para agendar uma consulta, entre em contato pelo telefone 0800 644 1044 das 8h às 17h. Você também pode nos enviar um email: transplanteicdf@icdf.org.br