Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/04/14 às 14h13 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Labirintite afeta 30% da população do DF

COMPARTILHAR

Tontura, náuseas e vomito são alguns dos sintomas

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES) estima que pelo menos 30% da população do DF têm queixa de tontura, acometendo principalmente as pessoas com idade mais avançada. Para se ter uma ideia do montante global dessa patologia, a cada 100 pacientes que procuram assistência médica em uma das unidades da SES, aproximadamente dez apresentam queixa de “labirintite” (termo popular para tontura de origem no labirinto vestibular). Quando ocorre um problema que afeta o labirinto vestibular o doente se queixa de vertigem (sensação de que o paciente esta rodando ou o ambiente esta rodando) ou tontura não rotatória, perda de equilíbrio, podendo ainda ter zumbidos nas orelhas ou perda de audição. Às vezes pode ocorrer náusea e vomito.

O coordenador da Otorrinolaringologia da Secretaria de Saúde (SES) e também médico no Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF), Ronaldo Granjeiro, explica que o labirinto vestibular está localizado na orelha interna, trabalhando associado com a visão e sistema musculoesquelético. Esse conjunto de órgãos é responsável pelo equilíbrio. “O mau funcionamento do labirinto isoladamente, ou em conjunto com os outros, pode causar o sintoma de tontura”.

As doenças do labirinto podem ser causados por diversos fatores, inclusive sistêmicos, como colesterol, hipoglicemia, hipertensão arterial, ingestão de medicamentos (anti-inflamatórios e antibióticos), infecções no ouvido e intensificado ou desencadeado por hábitos inadequados (álcool, fumo ou ingestão exagerada de café, chocolate, refrigerantes cola). “Já as doenças mais comuns, específicas do labirinto, são a Doença de Meniére, vertigem postural paroxística benigna, vertigem metabólica, enxaqueca vestibular e neurite vestibular”, disse o otorrinolaringologista do HBDF.

O coordenador da SES orienta que ao apresentar sintomas de “labirintite” é importante consultar um médico, para o especialista avaliar e buscar o tratamento adequado para cada causa do problema.

Por José Roberto Bueno, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61) 3348-2547/2539 e 9862-9226