Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/07/16 às 16h38 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

Lacen desenvolverá projeto nacional que avalia qualidade de medicamentos

COMPARTILHAR

Cerca de 150 análises deverão ser feitas em 18 meses

 

BRASÍLIA (20/7/16) – O Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen) foi uma das 15 instituições selecionadas no Brasil para desenvolver o Programa Nacional de Verificação da Qualidade de Medicamentos (Proveme). O anúncio foi feito nesta quarta-feira (20) durante o 1º Encontro do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, na sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com o incentivo na ordem de R$800 mil para a capital federal, o intuito da iniciativa, que tem duração de 18 meses, é fortalecer a vigilância sobre produtos farmacêuticos, principalmente aqueles que são oferecidos à população pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“O programa é um passo importante para o controle dos produtos farmacêuticos distribuídos no país. A partir desse acordo, que tem o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, será possível reforçar as ações”, destacou o secretário de Saúde do Distrito Federal, Humberto Fonseca, após ser convidado pela representante do Pnud, Maristela Baioni, a iniciar o programa no DF como um projeto-piloto.

“Estamos nos preparando para dar todo o apoio necessário para conduzir a carta de acordo. Estamos muito confiantes de que o nosso projeto dará certo”, complementou Maristela Baioni.

O diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ivo Bucaresky, destacou que é importante que todas as vigilâncias sanitárias do país trabalhem em conjunto para buscar melhorias. “Temos que nos perguntar quais são os serviços, os trabalhos e projetos que temos que consolidar para o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. A área tem que estar integrada para cada vez mais fortalecer o setor”, disse.

DISTRITO FEDERAL – A expectativa é de que o Lacen-DF faça, durante o período de validade do programa, 150 análises. O diretor do Lacen DF, Eduardo Filizzola, conta que a unidade já possui uma gerência de medicamentos que avalia características como rotulagem correta, aspecto, variação de peso, identificação, doseamento, dissolução e conformidade de conteúdo.

“Com essas avaliações, nossa intenção é oferecer segurança para o usuário do SUS sobre a qualidade do medicamento prescrito, com uma análise minuciosa a tudo que se refere ao produto”, afirmou, ao citar que o valor previsto de R$800 mil será utilizado para aquisição de insumos e manutenções das máquinas que fazem esse processo.

As atividades do Proveme também serão desenvolvidas pelos laboratórios do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde e Lacen's da Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.