Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/07/17 às 12h18 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Mais de 38 mil documentos foram criados eletronicamente pela Saúde

COMPARTILHAR

Balanço do primeiro mês de funcionamento do SEI também aponta 22 mil documentos recebidos digitalmente

BRASÍLIA (27/7/17) – Mais de 38,5 mil documentos foram gerados eletronicamente pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal, além de outros 22,1 mil tramitados digitalmente, no primeiro mês de uso do Sistema Eletrônico de Informação (SEI). A ferramenta – que contribui tanto para redução do uso do papel, quanto para aumentar a eficiência dos processos de trabalho – começou a ser utilizada em 12 de junho pela Administração Central e em 12 de julho pelas demais unidades da rede.

“Esse é um sistema de Gestão Eletrônica de Documentos confiável e que gera muita economia, porque reduz o gasto com contratos de impressão, pessoal e protocolo. Isso porque o documento físico depende de um servidor para numerá-lo e transportá-lo fisicamente para outro setor, o que exige motorista, veículo e gasolina”, citou o chefe de Gabinete da pasta, André Luís Soares.

A eficiência também é um grande ganho para a Administração Pública, pois a tramitação dos documentos eletronicamente é mais célere, em tempo real. “Entre uma unidade e outra, gastávamos em média três dias para tramitar fisicamente entre um protocolo e outro. No SEI, é instantâneo. Além disso, geramos a possibilidade de realizar o trabalho compartilhado, porque diferentes áreas conseguem trabalhar simultaneamente no mesmo processo, sem ter que esperar que cada uma delas conclua sua parte”, disse Soares.

Foram seis meses de planejamento para implantação do SEI. Além de não ter custos para a Saúde, a iniciativa beneficia o meio ambiente, já que evitará a produção de documentos como o processo que trata da licitação da alimentação. “Atualmente, esse processo possui 110 volumes, sendo cada um com 250 páginas. São mais de 25 mil páginas”, contabilizou.

O sistema possui, ainda, benefícios como diminuição dos riscos de extravio, bem como aumento da transparência e da confiabilidade, porque evita adulteração de texto e de rasura de páginas. Permite, ainda, que usuários externos tenham acesso às informações, em alguns casos.

Além da produção de documentos administrativos, os servidores podem fazer pelo SEI requisições de caráter pessoal, como abonos, férias, licenças e aposentadoria.

SAIBA – O programa foi desenvolvido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e está sendo implantado gradativamente nos órgãos do Governo de Brasília. A expectativa é que até 2019 todas as instituições públicas do Distrito Federal operem com essa ferramenta.