Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/02/20 às 10h01 - Atualizado em 27/02/20 às 15h12

Medidas de proteção viram nomes de blocos no HRT

COMPARTILHAR

Iniciativa visa conscientizar sobre os riscos do uso de adornos e jalecos em refeitório

 

O Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar (NCIH) do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) preparou uma ação lúdica, alusiva ao período de carnaval, para conscientizar servidores, residentes e colaboradores a respeito dos riscos de se frequentar o refeitório do hospital usando adornos ou trajando jalecos ou vestimentas que são utilizados nos ambientes da assistência.

 

Os cartazes espalhados no refeitório fazem alusão aos tradicionais blocos de carnaval. A ação convida os usuários a escolherem o bloco de que farão parte neste carnaval. “Gaviões do Álcool Gel”, “Mocidade Independente do Adorno”, “Samba no pé, álcool gel na mão”, “Acadêmicos dos sapatos fechados”, são algumas das opções de blocos.

 

 “A iniciativa visa lembrar de maneira lúdica e sensibilizar os servidores quanto às políticas institucionais no que ser refere aos cuidados com os pacientes e profissionais”, ressalta a chefe do Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar, Maria Clara Boudens.

 

O objetivo da ação é o cumprimento da Norma Regulamentadora 32 do Ministério do Trabalho e Emprego, que estabelece as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde.

 

A norma determina que os trabalhadores não devem deixar o trabalho com os equipamentos de proteção individual e as vestimentas utilizadas em suas atividades laborais, a fim de evitar contaminação por bactérias e demais germes.

 

“É uma forma de oferecer mais segurança ao trabalhador e aos serviços aqui executados. E cada um tem que fazer a sua parte. Esse tipo de abordagem deve ser motivada e multiplicada”, destaca a residente de gestão de Políticas Públicas, Hayssa Moraes, de 27 anos.

 

Com o objetivo facilitar a adesão ao cumprimento das normas, existem cabides na entrada do refeitório, onde os jalecos podem ser pendurados.

 

ADORNO ZERO – O HRT compartilha com todos os profissionais do hospital a Campanha Adorno Zero, que reforça a proibição do uso de adornos. A utilização deles por profissionais de saúde aumenta a infecção cruzada entre os pacientes, visto que a contaminação destes pode durar de horas até meses. São exemplos de adornos alianças e anéis, pulseiras, relógios, colares, brincos e broches.

 

Nivania Ramos, da Agência Saúde.

Fotos: Divulgação.