Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/09/18 às 16h48 - Atualizado em 11/09/18 às 16h52

Mitos e Verdades sobre Vacinação

 

 

1 – Aplicar mais de uma vacina ao mesmo tempo em uma criança pode aumentar o risco de eventos adversos prejudiciais, que podem sobrecarregar seu sistema imunológico?

 

Evidências científicas mostram que aplicar várias vacinas ao mesmo tempo não causa aumento de eventos adversos sobre o sistema imunológico das crianças. Na verdade, a prática é incentivada pela Organização Mundial de Saúde, porque ajuda a manter a carteira de vacinação em dia e aumenta a cobertura de pessoas imunizadas.

 

2 – Mercúrio em vacinas causa autismo?

 

O tiomersal é um composto orgânico, que contém mercúrio, adicionado a algumas vacinas como conservante. É o conservante mais utilizado para vacinas que são fornecidas em frascos multidose. A concentração de mercúrio no conservante de algumas vacinas é ínfima e não traz risco à saúde. Esta “teoria” foi inventada em 1998 por Andrew Wakefield, que teve seu registro médico cassado.

 

3 – Vacinas são proibidas para gestantes?

 

Na verdade, as vacinas para doenças como gripe, hepatite B e a tríplice bacteriana (difteria, tétano e coqueluche) são benéficas para as grávidas, o feto e o bebê após o nascimento. E algumas vacinas são contraindicadas, como a da febre amarela e a tríplice viral.

 

4 – É preciso interromper a amamentação antes ou depois da vacina rotavírus?

 

Não há nenhuma recomendação em relação à amamentação: o bebê pode mamar a qualquer momento, antes ou depois da vacinação.

 

5 – A vacina da gripe causa gripe?

 

A vacina da gripe usa vírus inativado (morto) em sua composição, portanto, NÃO é possível que provoque a doença. É importante destacar que a função da vacina é prevenir. Sendo assim, se a pessoa que foi vacinada já estiver infectada, vai desenvolver a doença. Por essa razão é tão importante se vacinar antes do início da temporada da gripe. Os eventos adversos mais comuns após essa vacinação são: dor, vermelhidão e inchaço no local da aplicação. Febre baixa, dor de cabeça e muscular também podem acontecer.

 

6 – A mulher que está amamentando não deve receber vacinas?

 

A vacinação, geralmente, não está contraindicada nessa fase e pode ser realizada normalmente. Aliás, é desejável que ocorra, para evitar que a mãe transmita vírus ou bactérias ao seu bebê. Apenas uma vacina contra a febre amarela está contraindicada para mulheres que estejam amamentando. Ela deve ser evitada nos primeiros seis meses de vida do bebê, exceto quando a mulher viver em zonas de transmissão do vírus — neste caso, a amamentação deve ser suspensa por 10 dias.

 

7 – Existe alguma vacina que não pode ser tomada junto com outra? Por quê?

 

Sim. Há casos em que a aplicação conjunta pode gerar interferência na eficácia de uma ou de ambas as vacinas. Um exemplo são as vacinas febre amarela, a tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), a tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) e a vacina varicela que em crianças menores de 2 anos (1 ano, 11 meses e 29 dias) primo vacinadas e devem ser aplicadas com um intervalo de 30 dias.

 

Essa orientação só se aplica àqueles que estão recebendo essas vacinas pela primeira vez. Portanto, indivíduos que já tenham recebido as vacinas anteriormente poderão ser revacinados simultaneamente, quando as vacinas estiverem recomendadas.

 

As demais vacinas do calendário podem e devem ser aplicadas no mesmo dia, aproveitando assim a oportunidade de atualizar o cartão de vacina e aumentar a cobertura vacinal na população.

 

8 – A combinação antibiótico e vacina é perigosa?

 

Não. O uso de antibióticos não é motivo para contraindicar a vacina.

 

9 – Posso aplicar vacinas em pessoas que estejam doentes?

 

Evita-se aplicar vacina em pessoas que estejam com doenças moderadas ou graves. Em quadros leves, elas podem ser aplicadas. As vacinas são contraindicadas em casos de doença febril aguda (em curso) que comprometa o estado geral de saúde. Relato de febre anterior ao dia da vacinação não é motivo para contraindicação.

 

 

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL

Gerência de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e de Transmissão Hídrica e Alimentar

Núcleo de Rede de Frio