Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/06/20 às 11h40 - Atualizado em 23/06/20 às 13h20

Notificações dos eventos pós uso nos pacientes e das infecções

COMPARTILHAR

NOTIFICAÇÕES

Os Sistemas de Notificação em Vigilância Sanitária têm por objetivo interligar o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) e as informações geradas pelos Serviços de Controle de Infecção Hospitalar, Núcleos de Segurança do Paciente, e também pelos usuários (pacientes, familiares e acompanhantes), possibilitando o registro e o processamento de dados sobre eventos adversos (EA = incidente que provoca dano desnecessário ao paciente durante a assistência à saúde, por exemplo:).

Essa ação é uma etapa fundamental para que as falhas ocorridas sejam verificadas e que sejam instituídas medidas para evitar que EA recorram nos serviços de saúde, com consequente aumento na segurança dos pacientes atendidos.

 

Exemplos de notificações de eventos adversos ou queixas técnicas:

– cirurgia no local errado;

– erro de identificação de paciente;

– quedas;

– erro de diagnóstico;

– erros de medicação que causaram ou não dano à saúde do paciente (por exemplo, troca de medicamentos no momento da administração);

– queixas técnicas decorrentes do uso de artigos médico-hospitalares ou equipamentos médico-hospitalares (por exemplo, produto com suspeita de desvio de qualidade, suspeita de estar sem registro, suspeita de produto falsificado);

– reação transfusional decorrente de uma transfusão sanguínea;

– reação adversa ao uso de medicamentos;

– infecção de sítio cirúrgico;

– infecção de acesso vascular em hemodiálise;

– eventos adversos relacionados a transplantes de órgãos.


SISTEMAS DE NOTIFICAÇÃO:

 

» NOTIVISA

 

Para notificar um evento adverso durante a Assistência à Saúde (Ex: quedas, cirurgia no local errado, retenção de corpo estranho durante cirurgias, erro de identificação de paciente, etc).

 

Cidadão/paciente/familiar (não é necessário cadastro prévio):

(Orientações gerais)

(Formulário de notificação de eventos adverso)

 

A Figura 1 mostra a tela do NOTIVISA para notificação dos eventos adversos pelo cidadão/paciente/familiar:

 

 

 

Instituição/profissional de saúde (já cadastrado previamente no NOTIVISA): http://www8.anvisa.gov.br/notivisa

 

A Figura 2 mostra a tela do NOTIVISA para notificação dos eventos adversos relacionados à assistência à saúde pela instituição/profissionais de saúde:

 

 

Para notificar problemas (eventos adversos e queixas técnicas) com materiais médico-hospitalares e equipamentos durante o uso nos serviços de saúde (Ex: alterações na consistência dos materiais, presença de corpos estranhos, etc).

Instituição/profissional de saúde (já cadastrado previamente no NOTIVISA)

 

Para notificar queixas técnicas relacionadas a medicamentos (pós uso pelo paciente)

Instituição/profissional de saúde (já cadastrado previamente no NOTIVISA):

 

A Figura 3 mostra a tela do NOTIVISA para notificação dos eventos adversos e queixas técnicas de materiais médico hospitalares, equipamentos e medicamentos:

 


» VIGIMED

 

Para notificar eventos adversos relacionados a medicamentos e vacinas (Ex: Erros de medicação – dose errada, horário errado, paciente errado, etc.)

 

Cidadão/paciente/familiar (não é necessário cadastro prévio):

 

 

A Figura 4 mostra a tela do VigiMed para notificação dos eventos adversos relacionados a medicamentos e vacinas pelo cidadão/paciente/familiar:

 

 

Instituição/profissional de saúde (já cadastrado previamente no VIGIMED):

 

 

A Figura 5 mostra a tela do VigiMed para notificação dos eventos adversos relacionados a medicamentos pela instituição/profissional de saúde:

 

 


» FORMSUS

 

Para notificar infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS)

Devem notificar mensalmente os hospitais com leitos de UTI e os que realizam os procedimentos cirúrgicos de monitoramento obrigatório (cesariana, implantes mamários, artroplastia primária de joelho e de quadril, revascularização do miocárdio e derivação interna neurológica).

 

UTI ADULTO

 

UTI PEDIÁTRICA

 

UTI NEONATAL

 

PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS (cesariana, implantes mamários, artroplastia primária de joelho e de quadril, revascularização do miocárdio e derivação interna neurológica)

 

CONSUMO DE ANTIMICROBIANOS EM UTI ADULTO – CÁLCULO DDD (DOSE DIÁRIA DEFINIDA)

 

CONSUMO DE PREPARAÇÃO ALCOÓLICA PARA HIGIENE DAS MÃOS

 

IRAS EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

 

Em casos de surtos de infecção em serviços de saúde (ou seja, quando ocorre um aumento estatístico significativo de casos de infecção/colonização, acima dos valores máximos esperados ou do limite superior endêmico, ou quando há a confirmação da ocorrência de um caso ou agregado de casos de infecção ou colonização por microrganismo que não havia sido anteriormente isolado no serviço de saúde)