Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/06/20 às 9h54 - Atualizado em 30/06/20 às 9h55

Obras avançam e hospital acoplado ao HRC já tem 60% da estrutura concluída

COMPARTILHAR

Previsão é que unidade seja entregue na primeira quinzena de julho

 

LEANDRO CIPRIANO, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

As obras para construir o hospital acoplado ao Hospital Regional de Ceilândia (HRC) estão 60% concluídas, conforme a avaliação técnica da construtora contratada pela empresa JBS, responsável pela doação da estrutura. A previsão é que a nova unidade seja finalizada na primeira quinzena de julho, para ampliar a oferta de leitos aos pacientes acometidos pela Covid-19.

 

Até o momento, foi concluída toda a parte da fundação, que começou a receber os primeiros módulos hospitalares refrigerados que formarão a unidade acoplada ao HRC. A estimativa da equipe de Engenharia à frente das obras é que até esta semana termine a instalação de todos os 54 módulos, contando com as passarelas que darão acesso ao hospital existente.

 

Por dia, em torno de 10 módulos têm sido montados no local. Depois disso, será necessário encaixar as estruturas, instalar toda a rede de gases, elétrica e hidráulica, pintar a unidade, colocar piso, móveis e levar as camas, monitores e respiradores para montar os leitos.

 

O projeto, que começou a ser construído em 10 de junho, prevê um pavimento térreo com cerca de 1.015 metros quadrados de construção. A estrutura vai comportar 73 leitos, sendo 70 de enfermaria e três de isolamento com suporte respiratório.

 

“As obras estão dentro do cronograma e avançando cada vez mais. Os trabalhos têm sido feitos todos os dias, para entregar o hospital acoplado o quanto antes. Depois da pandemia, essa estrutura ficará como um legado para o DF, oferecendo leitos de clínica médica”, afirmou a superintendente da Região de Saúde Oeste, Lucilene Florêncio.

 

MEDIDAS – A instalação do hospital acoplado integra uma série de medidas adotadas pelo GDF para atender a população infectada pela Covid-19 e, ao mesmo tempo, reduzir a incidência da doença em Ceilândia. A região administrativa registra a maior quantidade de casos do Distrito Federal.

 

Em relação a estruturas de saúde, Ceilândia receberá, além do hospital acoplado, uma nova Unidade de Pronto Atendimento (UPA), com previsão de entrega para dezembro. Também terá um hospital de campanha construído pelo GDF. Serão 60 leitos, sendo 20 com suporte respiratório e 40 de enfermaria. A expectativa é ser finalizado nos próximos 60 dias.

 

Outra medida adotada foi instalar um gabinete especial da Secretaria de Saúde na região, para acelerar as ações voltadas ao enfrentamento da Covid-19. Uma delas foi tornar o pronto-socorro do HRC exclusivo para pacientes suspeitos e confirmados com a Covid-19. Assim, foram liberados 31 leitos de enfermaria para o atendimento dos acometidos pelo vírus.

 

Além disso, outros dez leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital foram reformados para receber os pacientes com a doença que estão em situação mais grave.

 

JBS – A JBS, por meio do programa Fazer o Bem Faz Bem, vai doar R$ 11 milhões para o enfrentamento do coronavírus no Distrito Federal, incluindo no valor a construção do hospital acoplado.

 

Além da nova unidade em Ceilândia, Brasília tem recebido da empresa equipamentos de proteção individual (EPIs), itens de higiene e limpeza e cestas básicas para instituições sociais do DF, que devem impactar mais de 2,5 milhões de pessoas.

 

As doações integram um esforço nacional da JBS de enfrentamento à Covid-19. Ao todo, a empresa pretende doar R$ 400 milhões a 19 unidades da Federação e a mais de 200 cidades.