Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/12/18 às 13h42 - Atualizado em 27/12/18 às 9h16

Oficina de crochê ajuda mães a superar angústias

COMPARTILHAR

Oficina é realizada para mães de recém-nascidos internados na unidade neonatal do HRC

 

Uma singela confraternização marcou o sucesso da oficina de crochê do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), que, desde julho de 2017, reúne mães de recém-nascidos internados na unidade neonatal do hospital.

 

Ao contrário do que pode parecer, o crochê não funciona como um passatempo, mas sim para utilizar o tempo como método terapêutico.

 

“O projeto é um instrumento para garantir a vinculação da mãe com o bebê, na medida em que, enquanto está fazendo seus pontos, ela prepara uma peça simbólica de conexão com o filho”, explica Denise Nascimento, tutora do Método Canguru do HRC, que além do crochê, ainda abarca grupos de acolhimento e o Projeto Visita dos Irmãos.

 

Todas essas ações, juntas, formam um modelo de assistência ao recém-nascido que vem rendendo frutos aos pacientes. O crochê se insere nesse modelo combatendo as tensões emocionais das mães. “Ao longo do desenvolvimento da oficina a mãe verbaliza suas angustias e esclarece dúvidas”, explica Denise.

 

Katia Conseguera, mãe de um bebê prematuro de 29 semanas, passou pelo projeto e reconhece os efeitos das reuniões de grupo. “Fui pega de surpresa com algo que eu nem tinha conhecimento. Passei por momentos de tristeza, preocupação e ansiedade”, lembra. “Quando comecei a fazer a oficina consegui tirar o foco da preocupação com o bebê, pois o crochê me proporcionava distração e controle de ansiedade.”

 

Para participar do projeto não é necessário ter conhecimento prévio com a linha e a agulha. Na sua maioria, as mães nunca tiveram contato com o crochê. Quando são convidadas a integrar o grupo, elas recebem linhas de cores variadas e um cueiro –pequeno corte de tecido no qual são inseridos os pontos.

 

Denise lembra, no entanto, que, apesar de receber a ajuda de grupos como Mães Generosas, Viva e Deixe Viver e Tricosturando, o projeto necessita de ajuda para manter o material em dia. Ela pede aos interessados em doar agulhas, cueiros e linhas a entrar em contato pelo telefone 99844-6170.

 

Mães e servidores que atuam na oficina de crochê do HRC

 

Humberto Viana, da Agência Saúde
Fotos: Divulgação/Saúde-DF