Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/06/20 às 11h54 - Atualizado em 19/06/20 às 9h39

Pacientes devem procurar o Hran apenas com sintomas graves

COMPARTILHAR

Pessoas com sintomas gripais leves ou assintomáticos devem buscar as UBSs

 

LEANDRO CIPRIANO, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde

Referência para casos de Covid-19, o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) deve ser procurado pela população apenas quando tiverem sintomas mais graves, como falta de ar e febre persistente. Pacientes com sintomas gripais mais leves, ou assintomáticos, devem buscar atendimento diretamente nas unidades básicas de saúde (UBSs) mais próximas das suas residências. O DF possui 172 UBSs e todas estão aptas a atender pessoas com sintomas da doença causada pelo coronavírus.

 

A recomendação vem dos profissionais de saúde do Hran que tem atuado diariamente na linha de frente contra o coronavírus. “O que tem acontecido é que pacientes com sintomas leves têm ido para o hospital e, com isso, tem prolongado o tempo de espera daqueles que estão em estado grave. Às vezes apenas para fazer o teste e saber se tem Covid-19, quando há outros locais para testagem, tanto por drive-thru quanto nas próprias UBSs”, informou o diretor de Atenção Secundária da Região de Saúde Central, Pedro Zancanaro.

 

Ao mesmo tempo, a ida à unidade sem estar com a doença aumenta os riscos de contaminação ao ter contato com transmissores da Covid-19.

 

O gestor reforçou que todas as unidades de saúde do Distrito Federal, eventualmente, acabam enviando pacientes com estado grave para o Hran, que estão com a Covid-19, o que torna o hospital um local com alto índice de pessoas infectadas. Além disso, quanto mais pessoas procurarem o local, mais aglomerações ocorrerão, tornando o ambiente mais propício para contrair o coronavírus.

“Por isso é importante a população procurar primeiro as UBSs quando os sintomas forem mais leves. Todas estão preparadas para fazer o atendimento e referenciar para os locais que aplicam os testes, caso precise. No Hran, caso venham todos, só tornará o atendimento mais moroso para todo mundo e com mais aglomerações. Sendo que na UBS é possível ter uma avaliação inicial sem precisar fazer o teste”, explicou Pedro Zancanaro.

 

Quem também reforça o aviso é a diretora substituta da Atenção Secundária da Região Central, Fernanda Quirino. “Nunca fugimos da nossa missão de atender a população. Mas queremos que as pessoas tenham segurança, sem se expor a qualquer risco desnecessário com a Covid-19. Por isso, pedimos que venham ao Hran apenas quem tiver sintomas de maior gravidade, como cansaço, falta de ar e uma febre prolongada”, ressaltou.

 

A especialista reforçou ainda que pacientes com sintomas de dengue, semelhantes aos da Covid-19, já buscaram o hospital. Por isso, recomenda que eles também procurem as unidades básicas de saúde mais próximas de suas residências.

 

“Elas não precisam vir ao Hran. Dengue causa febre e dor no corpo, mas não precisam vir aqui e correr o risco de entrar em contato com algum paciente com coronavírus. Devem procurar outros locais da rede, como as UBSs. Se houver uma forte suspeita de ser Covid-19, estão será transferido para o Hran”, confirmou a diretora.

 

FLUXO – Assim que entram no hospital, os pacientes passam pelo atendimento inicial nas baias. Depois, são acolhidos pela Enfermagem e encaminhados para a triagem médica, onde são consultados para saber se eles têm coronavírus. Caso a suspeita seja de pneumonia por Covid-19, são encaminhados para avaliação pela clínica médica.

 

“Nosso objetivo ao criar essa triagem médica foi diminuir a aglomeração de pacientes e o tempo de permanência no hospital. Como tem pacientes que vêm e não estão doentes, tentamos separá-los para evitar o risco de transmissão”, informou Fernanda Quirino. “Depois de passar pela consulta, se o clínico pediu exames, ou vai para a tomografia, ou para o raio-X ou fazer os testes de sangue e swab, dependendo da situação de cada um”, destacou.

 

Quando os pacientes estão em situação mais grave, chegando com falta de ar, ou frequência respiratória mais alta, ou comprometimento no pulmão e sendo de um grupo de risco, vão direto para a clínica médica e, caso precise, a Sala Vermelha. Lá, são atendidos os pacientes com quadro clínico sugestivo ou já diagnosticado de Covid-19, que tem pneumonia e precisam de avaliação médica especializada.

 

“Juntamos nossa força médica com experiência para os que mais precisam. Eles que decidem se o paciente vai ficar internado, ou não, no Hran. Os que não estiverem nessa situação, com quadro de infecção de vias aéreas superiores (IVAS), podem ser indicados a voltar para casa, com todas as recomendações sendo feitas”, concluiu a diretora.

Leia também...