Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/07/20 às 13h55 - Atualizado em 7/07/20 às 15h04

Prevenção é a melhor forma de evitar transmissão e contágio da Covid-19

COMPARTILHAR

 

Infectologista explica que só o uso de máscara não é o suficiente, é necessário agregar medidas de higienização

 

JURANA LOPES, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Na última quinta-feira (2) o governador Ibaneis Rocha autorizou a reabertura total do comércio e a volta das aulas presenciais em escolas e universidades das redes pública e particular no Distrito Federal. As atividades estavam suspensas desde o dia 11 de março.

 

Nesta terça-feira (7) foi a reabertura das academias e salões de beleza. No entanto, nada será como antes. O uso de máscaras será obrigatório, assim como as medidas de higienização e distanciamento deverão ser respeitadas nestes locais.

 

Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

 

Ana Helena Germoglio, infectologista do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), frisa que a melhor e mais efetiva forma de evitar a transmissão e contágio pelo novo coronavírus ainda é o distanciamento social. Esse deve ser o pilar de todas as ações de prevenção.

 

“Qualquer local que conte com equipe de funcionários, deve investir em equipamentos de proteção individual (EPIs) e treinamento da equipe, de forma que funcionários e clientes sejam protegidos”, afirma.

 

Segundo a infectologista, disponibilizar máscaras, protetores faciais, álcool gel e pias com água e sabão de fácil acesso são requisitos mínimos para abertura de qualquer comércio em tempos de pandemia de transmissão por contato e gotículas. Além disso, uma rotina de questionamento diário à equipe para detecção precoce de casos sintomáticos respiratórios entre os funcionários pode se tornar uma medida eficaz de evitar a transmissão dentro da empresa.

 

“Os salões de beleza devem se readequar às normas. Os proprietários devem analisar se têm condições de atender os clientes, pensando e tratando como se todos fossem potencialmente infectados. Só assim, conseguirão prestar um atendimento que consiga evitar a disseminação do vírus entre clientes e profissionais. É necessário organizar a chegada, exigir o uso de máscaras e ter máscaras disponíveis para o caso de alguém chegar sem a proteção ou se danificar no momento de algum procedimento”, avalia Ana Helena.

 

De acordo com a infectologista, o mais indicado nos salões de beleza seria realizar os atendimentos com horário marcado, orientar os clientes a não levar acompanhantes, crianças ou animais ou não irem em caso de apresentar sintomas gripais. Além disso, ter pia com água e sabão ou álcool em gel em local de fácil acesso e estimular a higienização, não só para o cliente como funcionários também.

 

“Os proprietários destes estabelecimentos devem ter a consciência de que só o uso da máscara não combate o vírus, é necessário a higienização constante, limpeza de superfícies, evitar que clientes toquem os esmaltes na hora da escolha. Também seria ideal o funcionário utilizar uma roupa própria dentro do ambiente de trabalho”, afirma.

 

Além disso, deixar portas e janelas abertas, para melhorar a circulação do ar e retirar excesso de decoração como tapetes, assim como evitar revistas para serem utilizadas pelos clientes e aumentar a higienização do chão, superfícies, maçanetas e portas são orientações que a médica dá em relação aos salões de beleza.

 

MEDIDAS DE SEGURANÇA – Para Ana Helena, as academias deveriam: oferecer de kits de limpeza com álcool e papel toalha para ser utilizado logo após o uso do equipamento; limitar o número de frequentadores no recinto; permitir uso de bebedouros apenas para abastecimento de garrafas ou copos; preferencialmente, manter ambiente arejado, permitindo circulação de ar; capacitar equipe sobre rotina de higiene de equipamentos entre clientes.

 

 

Os bares e restaurantes estão previstos para reabrirem no próximo dia 15 de julho. A infectologista destaca que as orientações para estes estabelecimentos são: manter distanciamento mínimo de 1,5 metros entre mesas e cadeiras; aumentar rotina de higienização de superfícies e sanitários; higienizar logo após a saída do cliente e chegada de outro à mesa; para restaurantes self-service, orientar que clientes não conversem sobre a comida, uso de protetores salivares adequados em buffet; evitar o autosserviço; dar preferência aos métodos de pagamento online, sem contato com maquininhas; orientar clientes a evitarem aglomerações em filas.

 

De acordo com a infectologista, todas essas regras também são válidas para ambiente escolar. Entretanto, a manutenção de distanciamento social e implementação de rotina de higiene de mãos para crianças pequenas será um enorme desafio à escola. As escolas e faculdades particulares reabrirão no dia 27 de julho. Já as escolas e universidades públicas estão previstas para retornarem em 3 de agosto.