Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
28/10/15 às 17h40 - Atualizado em 30/10/18 às 15h13

Profissionais da SES são treinados para atendimento a vítimas de violência sexual

COMPARTILHAR

Curso foi promovido pelo Ministério da Saúde para servidores de todo o país

BRASÍLIA (28/10/15) – Vinte e oito profissionais da Secretaria de Saúde (SES/DF) entre eles, médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais, participaram de capacitação promovida pelo Ministério da Saúde. O treinamento é voltado ao novo protocolo para atendimento a vítimas de violência sexual. A nova regra permite que o hospital realize exame físico, descrição de lesões, registro de informações e coleta de vestígios, que serão encaminhados às autoridades policiais.

A medida reduz a exposição da pessoa que sofreu a violência, evitando que as vítimas sejam submetidas a vários procedimentos. Os exames serão feitos nos hospitais classificados como serviços de Referência para Atenção Integral às Pessoas em Situação de Violência Sexual. Os profissionais serão capacitados para atender vítimas de agressão sexual por meio de força física (estupro), abuso sexual, envolvendo adultos ou crianças, dentro ou fora de casa.

A implementação dessa ação possibilitará que as informações e vestígios da violência estejam devidamente registrados, armazenados e tornem-se disponíveis para os sistemas de segurança pública e de Justiça nos casos em que a pessoa em situação de violência decida registrar posteriormente a ocorrência.

“O objetivo é tornar o atendimento a vítima mais humanizado e obter de forma mais rápida todas as informações necessárias quanto ao abuso. É necessário que os profissionais que atendam a esta vítima tenham conhecimento e capacitação para lidar com a situação e amenizar a exposição da pessoa que sofreu a violência”, relata a chefe do Núcleo de Estudos e Programas na Atenção e Vigilância em Violências (Nepav) da Secretaria de Saúde, Lucy Mary Stroher.

As novas regras foram definidas pela Portaria nº 1.662, que integra as ações do Programa Mulher: Viver sem Violência, criado este ano. O programa estabelece novas diretrizes para organização e a integração do atendimento às vítimas de violência sexual pelos profissionais de segurança pública e de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

REDE ESPERANÇA – Para o atendimento a vítimas de violência sexual, a Secretaria de Saúde do DF conta com a Rede de Serviços de Atenção Integral à Saúde de Pessoas em Situação de Violência Sexual (Rede Esperança). Esta rede é composta por 21 Programas na Atenção e Vigilância em Violências (PAVs), que funcionam como ponto de apoio à rede de saúde na atenção a violência, realizando ações de promoção, prevenção, atendimento, vigilância em saúde e capacitação nas regionais para qualificar o atendimento e instrumentalizar a notificação compulsória. O atendimento na rede pública de saúde do DF é referência para o Ministério da Saúde.

Leia também...