Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/07/13 às 14h45 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

HRC coleta sangue de cordão umbilical para transplante

COMPARTILHAR

O sangue de cordão umbilical possui células tronco hematopoéticas utilizadas no transplante de medula óssea

A Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) realiza coleta de sangue de cordão umbilical e placentário para realização de transplante de células tronco hematopoéticas. O procedimento ocorre nas maternidades públicas do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) e no Hospital Regional de Ceilândia (HRC).

O Banco de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário do Hemocentro é um dos integrantes da Rede Brasileira de Bancos Públicos de Cordão Umbilical e Placentário (Rede Brasil Cord) que reúne 13 bancos localizados em todas as regiões do Brasil. O objetivo é contemplar a diversidade genética da população brasileira.

Segundo a médica da FHB, Margarida Carneiro, o sangue de cordão umbilical possui células tronco hematopoéticas responsáveis pela formação das células do sangue e são utilizadas no transplante de medula óssea. “Essas células têm sido utilizadas como fonte alternativa de transplante de medula óssea nos pacientes que necessitam de transplante e que não possuem doadores compatíveis”, explica a médica.

A doação do cordão umbilical do recém-nascido é voluntária e autorizada pela mãe do bebê. Ela é feita após o nascimento no momento em que o cordão umbilical é separado do bebê. As unidades armazenadas ficam disponíveis para qualquer pessoa que precise de transplante de medula óssea. “O uso desse sangue é indicado principalmente para pacientes com leucemia ou que possuam outras doenças do sangue. Cabe ressaltar que esse processo não traz riscos à mãe nem ao bebê”, relata a médica.

No HMIB o procedimento é realizado desde maio do ano passado e no Hospital Regional de Ceilândia foi implantado há duas semanas. Segundo Margarida, a coleta é realizada nos dois hospitais por enfermeiros do Banco de Cordão da FHB, treinados e capacitados pelo Instituto Nacional do Câncer. Para ser doadora a gestante tem que estar em boas condições de saúde, ter idade mínima de 18 anos, idade gestacional a partir de 35 semanas no momento do parto, feito no mínimo duas consultas pré-natais documentadas, não possuir doenças neoplásicas como o câncer, e hematológicas.

O sangue coletado é enviado para a FHB, onde será realizado a separação e o congelamento das células tronco hematopoéticas. Ele poderá ser utilizado em pacientes de toda a Rede de Saúde incluídos no programa de transplante de medula óssea.

Ludmila Mendonça

Leia também...