Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/01/14 às 14h06 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Saúde adota pulseiras para Classificação de Risco

COMPARTILHAR

Medida terá início no Hospital Regional do Gama e UPA do Recanto das Emas

O paciente que der entrada na emergência do Hospital Regional do Gama (HRG) e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Recanto das Emas passa a usar uma pulseira colorida, que identifica o seu estado de saúde. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) irá adotar a nova medida a partir desta segunda-feira (13), ao longo do dia. 

As pulseiras seguirão o Protocolo de Manchester de Classificação de Risco, preconizado pelo Ministério da Saúde. A primeira unidade a utilizá-lo foi o Hospital de Base em agosto de 2012, no qual os pacientes são separados por cores que indicam a intensidade do problema. Implantado nos pontos de atenção de urgência e emergência da rede pública de saúde do DF, esse sistema prioriza o atendimento pela gravidade do caso e não pela idade ou ordem de chegada. O objetivo é acolher o paciente, avaliar a sua necessidade clínica e atendê-lo de acordo com a urgência, classificando-o por cores: vermelha (emergência); laranja (muito urgente); amarela (urgente); verde (pouco urgente) e azul (não urgente). Dentre as vantagens do Protocolo de Manchester está a redução do índice de mortalidade na porta das emergências, com a identificação rápida de pacientes em risco de vida.   

“Efetuaremos 30 dias de testes em ambas as unidades. Caso o novo método apresente resultados satisfatórios, implantaremos em toda a rede pública de saúde do DF”, comenta o secretário-adjunto Elias Miziara.

A cor vermelha indica atendimento imediato, em que há alto risco de morte para o usuário, tendo prioridade entre os demais presentes na Emergência. A cor laranja também representa um caso grave e significa maior prioridade de atendimento. Outro caso grave é o paciente classificado na cor amarela, que precisa entrar em atendimento com urgência.

As cores verde e azul são casos sem gravidade, em condições de aguardar por mais tempo. Se o paciente receber uma pulseira verde, indica que o doente não corre risco de morte, podendo ser atendido sem prioridade. Quando avaliado dentro do nível azul, o paciente precisa apenas de um atendimento básico, sem complexidade. A SES/DF orienta que os casos classificados nessas cores podem ser atendidos em centros de saúde próximos de suas residências, ou seja, não há necessidade de se dirigirem a um hospital, à espera de assistência.    

Por Patrícia Kavamoto, da Agência Saúde DF
Atendimento à Imprensa:
(61) 3348-2547/2539 e 9862-9226