Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/07/18 às 17h57 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Saúde assina convênios para especialização a distância e mestrado profissional

COMPARTILHAR

A Secretaria de Saúde assinou, na quarta-feira (4), de forma eletrônica, dois convênios com a Fundação Oswaldo Cruz/Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Fiocruz/ENSP), no valor total de R$ 1,7 milhão.

 

O primeiro convênio é referente a um curso de Especialização em Educação a Distância (EAD), no valor de R$ 915,5 mil, com oferta de 100 vagas. O segundo é de mestrado profissional, com recurso de R$ 788 mil, para até 35 vagas. Ambos são voltados à avaliação em saúde.

 

O público-alvo são os profissionais de nível superior, em qualquer área de formação, com diploma reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), que atuam ou queiram atuar na área de monitoramento e avaliação.

 

Será dada preferência aos servidores que atuam na Secretaria de Saúde, nas superintendências das Regiões de Saúde, unidades de referência distrital e na Administração Central – áreas de planejamento, orçamento, monitoramento e avaliação. Os candidatos devem residir no Distrito Federal.

 

As vagas remanescentes serão preenchidas por outros profissionais que atuem na Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), nas áreas de planejamento, orçamento, monitoramento e avaliação.

 

O objetivo é formar especialistas e mestres em avaliação em saúde, tomando como objeto de reflexão as políticas, os serviços e as redes de atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

CRONOGRAMA – Após a assinatura dos convênios, a previsão é que a Fiocruz/ENSP divulgue os editais para os cursos a partir de agosto.

 

A expectativa é que a Especialização em EAD tenha início em 21 de novembro deste ano, com término previsto para 21 de janeiro de 2020. São 420 horas de carga horária.

 

Já o curso de mestrado profissional deve começar em novembro deste ano, com término previsto em maio de 2020. A carga horária é de 1.440 horas.

 

TEXTO: Leandro Cipriano, da Agência Saúde