Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/10/17 às 10h36 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Servidor do Hospital de Planaltina reutiliza embalagens e cria artesanato

COMPARTILHAR

Trabalho chama a atenção dos usuários e é utilizado para incentivar o aleitamento materno

BRASÍLIA (18/10/17) – A junção entre os dons inatos de artesão e a longa experiência profissional em reciclagem levou José Geraldo Costa a repensar o destino das caixas e barbantes desperdiçados no almoxarifado do Hospital Regional de Planaltina (HRP), local onde trabalha há dois anos. E o que antes eram apenas embalagens sem uso, com a habilidade das suas mãos, ganhou vida na forma de robôs, animais, bonecos, veículos e até uma figura humana feminina com os seios expostos, logo aproveitada para um curso na semana de aleitamento materno.

“Eu ficava incomodado em não usar de algum jeito esse material e um dia, depois de terminar o horário de serviço, tive a ideia de fazer artesanatos com produtos que iriam para o lixo. Falei com a chefe do setor, que logo aprovou a proposta e, a partir daí, não parei mais”, conta Geraldo, com o orgulho de ter o trabalho reconhecido pelos colegas, sempre curiosos para ver suas novas criações.

Ele conta que desde menino faz artesanatos de argila ou madeira reutilizada das caixas de frutas, criando elefantes, cachorros, arranjos, bandejas e até colares com cobertura de fios. “José Geraldo é um excelente funcionário e muito criativo”, diz a chefe do almoxarifado do HRP, Érica Batista do Nascimento, que constatou um “ambiente mais alegre no local e maior interação entre os servidores, que vão ao local para conhecê-lo e pedir alguma arte para os filhos.

Com o sucesso da iniciativa e o reconhecimento dos colegas e da direção do hospital, o artesanato de Geraldo Costa – com a boneca já utilizada no banco de leite para incentivar a amamentação – também adorna os corredores do hospital, despertando a atenção dos usuários com a originalidade dos objetos.

Atenção também compartilhada pelo superintendente da Região Norte de Saúde, Ricardo Mendes que, ao identificar a criatividade no artesanato de Geraldo, “incentivou imediatamente da divulgação do trabalho”, enfatiza Érica Nascimento. Para ela, o reconhecimento das habilidades dos servidores, mesmo que não estejam diretamente vinculadas à atividade fim, deve ser incentivado, “pois isso cria uma motivação adicional para o próprio trabalho inerente à sua função.

Entre os pedidos de artesanato pelos servidores, a aceitação dos usuários, que acabam por esquecer por alguns momentos os problemas de saúde ao contemplar os artesanatos de Geraldo e a utilização da arte no incentivo à amamentação, surgiu uma nova ideia, que será colocada em prática até o fim do ano: uma exposição com os trabalhos do servidor-artesão – um reconhecimento a quem deu vida para o que antes eram simples embalagens para descarte.