Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/04/20 às 14h11 - Atualizado em 9/04/20 às 12h26

Servidores do Cievs são responsáveis por colher dados sobre coronavírus

COMPARTILHAR

 

 

 

 

 

Apesar de não estarem na linha de frente de atendimento, servidores são essenciais para enfrentamento da Covid-19

 

Pouco notados, os servidores que trabalham no Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs), da Secretaria de Saúde, têm função fundamental no enfrentamento do coronavírus no Distrito Federal.

 

Em conjunto com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep), o Cievs é responsável por monitorar os casos suspeitos e confirmados de coronavírus, analisar o perfil epidemiológico e fazer recomendações para prevenção da doença no DF. “A maior preocupação que temos é proteger a saúde das pessoas e evitar que o coronavírus se espalhe e cause um colapso nos serviços de saúde”, afirma a gerente de Epidemiologia de Campo, Meyre Batista.

 

Segundo ela, o Cievs, em conjunto com a comissão técnica para enfrentamento da Covid-19 no DF, também é responsável por produzir informações técnicas sobre o comportamento da doença no DF, articular ações necessárias para mitigação da doença, estabelecer fluxos de vigilância e outras medidas necessárias para o combate à pandemia no Distrito Federal.

 

TRABALHO – Os servidores do Cievs e os que compõem a comissão técnica para o enfrentamento da Covid-19 não atendem pacientes na linha de frente, mas fazem todo o levantamento de dados e investigação de casos, o que é extremamente essencial para criar ações de enfrentamento do coronavírus. Além disso, todos os boletins epidemiológicos da doença são elaborados através desses dados.

 

“Nós recebemos notificações de todos os laboratórios, públicos e privados. Depois disso, ligamos para todos os pacientes com o exame positivo para Covid-19, fazemos perguntas para traçar o perfil, descobrir se possui alguma comorbidade e identificar o tipo de transmissão. Com isso, consolidamos os dados e alimentamos o painel de informações com número de casos a cada 30 minutos”, explica a enfermeira da Divep, Priscilleyne Reis.

Para o enfrentamento do coronavírus, a Secretaria de Saúde montou uma força-tarefa composta por servidores de vários setores. Para atuar na geração desses informativos e boletins, todos os servidores envolvidos possuem cursos do Ministério da Saúde na área de Epidemiologia.

 

“Estamos trabalhando até nos finais de semana, em regime de plantão, mesmo quem tem escala de trabalho de segunda a sexta. Tudo isso, em prol do enfrentamento do coronavírus, para ter informações cada vez mais fidedignas”, relata Priscilleyne.

 

DEDICAÇÃO – Segundo a enfermeira do Divep, todos os servidores envolvidos na força-tarefa estão trabalhando cerca de 11 a 12 horas diariamente, ou seja, uma carga horária além da rotina normal de trabalho. A maioria depende da ajuda de outras pessoas, pois grande parte da equipe tem filhos pequenos e portanto, fora da escola.

 

Priscilleyne tem dois filhos, de 2 e 6 anos. Ela conta com o apoio do marido para cuidar das crianças. “Tenho a ajuda do meu esposo, que está em teletrabalho, e de uma ajudante que mora bem próximo de minha casa. As crianças entendem um pouco da situação, mas sentem falta da escola e de mim”, desabafa.

 

ATENDIMENTO – O setor disponibiliza canais de comunicação, 24 horas por dia, sete dias por semana, para profissionais e a população comunicarem sobre casos suspeitos, não só da Covid-19, mas de outros agravos, como meningite, febre amarela, leptospirose e dengue.

 

Estão envolvidos 12 servidores do Cievs e outros que compõem a comissão técnica para enfrentamento da Covid-19 no DF. Essa comissão é composta por servidores de diversos setores da Secretaria de Saúde com expertise em epidemiologia de campo. A força-tarefa é coordenada pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica.

 

Jurana Lopes, da Agência Saúde

Fotos: Geovana Albuquerque