Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/10/17 às 16h28 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Subsaúde lança programa de atenção à saúde mental materna

COMPARTILHAR

Evento será realizado em de novembro, na Egov, às 8h30. 

BRASÍLIA (31/10/17) – O período perinatal – espaço de tempo entre a gravidez e o primeiro ano após o parto – é considerado o período da vida da mulher com maior vulnerabilidade para o adoecimento psíquico. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a doença mental prolongada ou grave dificulta o vínculo entre a mãe e o bebê, a amamentação e os cuidados infantis.

Pensando nisso, a Subsecretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, da Secretaria de Planejamento e Gestão (Subsaúde/Seplag) lança, na próxima segunda-feira (6), a partir das 8h30, o Programa de Atenção à Saúde Mental Materna. A iniciativa é destinada às mulheres, servidoras do governo de Brasília, mas o evento será aberto para todos os servidores.

O evento será realizado no auditório da Escola de Governo do Distrito Federal (Egov). As inscrições devem ser feitas presencialmente, no horário e local do evento.

A depressão pós-parto (DPP) – uma das enfermidades mais frequentes – ainda encontra obstáculos para um diagnóstico adequado. As maiores dificuldades são o isolamento social típico do puerpério – período que decorre desde o parto até que o estado da mulher volte às condições anteriores à gestação –, a dificuldade da mulher em buscar ajuda, a falta de apoio conjugal e familiar, a pressão social para que a mulher esteja feliz com a chegada do bebê e a dificuldade técnica dos profissionais de saúde em dar o devido encaminhamento para o problema. Além da DPP, outros transtornos podem surgir, como síndrome do pânico, ansiedade generalizada, stress pós-traumático e transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO – O Programa de Atenção à Saúde Mental Materna chega com o objetivo de prevenir e diagnosticar precoce e adequadamente os sintomas psíquicos no período perinatal, diminuindo o impacto na vida da mulher, do bebê, da família e dos colegas de trabalho.

O projeto propõe uma reflexão sobre as experiências e os múltiplos papéis da mulher na contemporaneidade – e os impactos disso na saúde mental após o parto. As atividades incluem grupos de apoio a gestantes e mães de recém-nascidos, visitas domiciliares, grupos virtuais para suporte no pós-parto e rodas de conversa sobre o assunto.

Confira a programação.

Leia também...