Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/09/17 às 11h07 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Taguatinga ganha ambulatório de ginecologia para adolescentes

COMPARTILHAR

Unidade atendeu 73 meninas com idades entre 10 e 18 anos

BRASÍLIA (1º/9/17) – Um ambulatório de ginecologia dedicado exclusivamente a adolescentes está em funcionamento na Policlínica de Taguatinga desde o início de agosto. Nesse período, a unidade realizou 88 atendimentos,beneficiando 73 meninas com idades entre 10 e 18 anos, e está pronta para prestar ainda mais assistência.

“Nosso primeiro objetivo é desvincular o ginecologista que atende a mãe do profissional que consulta a filha, o que facilita a adesão da menina”, ressalta a ginecologista Débora Paulo Santos, responsável pelos atendimentos na unidade. “Essa é uma idade de muitas mudanças. Elas têm muitas dúvidas e não têm consciência de buscar o profissional sozinha. Muitas vezes vão levadas pela mãe, ainda com vergonha”, observa.

Acompanhada da mãe, Maria de Fátima Belo, em sua primeira consulta no ginecologista, Rebecca Vale, de 11 anos, estava ansiosa. “Tensa, na verdade”, ressaltou. Ela começou a sentir cólicas e foi encaminhada pelo Adolescentro para a unidade. “Nós moramos no Riacho Fundo e aqui é bem mais perto para chegarmos. Achei muito bom abrirem esse serviço aqui”, frisou a mãe.

MOMENTOS – Segundo Débora Santos, a adolescente é quem escolhe se quer ser atendida acompanhada da mãe ou não. Porém, normalmente, a consulta é dividida em dois momentos. “Elas geralmente têm vergonha de dizer que querem entrar sozinha. Mas durante a consulta, eu faço uma primeira conversa com a mãe e depois peço para ficar sozinha com a menina. Nesse momento, conversamos sobre coisas como uso de drogas e relações sexuais”, conta.

A ginecologista diz, ainda, que o ambulatório é importante para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e gestação precoce. “Temos percebido um crescimento dessas duas questões em adolescentes”, ressalta.

Para ser atendida no local, é preciso ser encaminhada por algum outro serviço de saúde e ter idade entre 10 e 18 anos. Neste perfil está Janaína Barbosa, 14 anos. Ela fazia acompanhamento de saúde em uma unidade básica e quando foi aberto o ambulatório específico para a idade dela, foi logo encaminhada. “É a primeira vez que venho a uma ginecologista, mas estou tranquila”, disse.

Confira as fotos.