Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/05/13 às 19h09 - Atualizado em 30/10/18 às 15h05

Assistência especial para as mães na rede pública de saúde

COMPARTILHAR

Parto humanizado reforça vínculos familiares

No Distrito Federal as futuras e antigas mamães contam com o Parto Humanizado, programa implantado na Secretaria de Saúde, com o diferencial de ser um parto tranquilo, mais natural, que envolve todos os membros da família e reforça os vínculos familiares.

“É o sonho de toda mulher, ter uma gestação saudável, um parto normal, acompanhado pelo marido”, declarou Adjane Albino, que junto com o marido, Marcos Aurélio Matias, aprovou a experiência no Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB), onde recebeu os cuidados que toda mãe, principalmente de primeira viagem deve ter.

Adjane conta que foi assistida por uma equipe atenciosa, que ofereceu atendimento vip, com direito a massagem e banho quente, exercícios no cavalinho, com a bola, apoio da equipe de psicólogos e do marido durante todo o processo.

Para Adjane a experiência de se tornar mãe foi perfeita . “ Um momento único em que a dor e o medo deram lugar a confiança”, disse a paciente ao destacar que a companhia do marido e de toda a equipe fizeram a diferença.

Experiência semelhante viveu Naiara Caroline Mesquita, que teve o segundo filho na Casa de Parto de São Sebastião, onde, de acordo com ela, recebeu assistência individualizada e respeitosa.

Segundo a enfermeira Jussara Vieira, chefe da casa de parto, Naiara passou a ser uma defensora do parto humanizado como a melhor opção para as mães, pais e até irmãos, que querem participar efetivamente do nascimento do novo membro da família.

Para melhor assistir as futuras mães e mesmo as de segunda ou terceira gravidez, a unidade de São Sebastião funciona 24 horas por dia, com enfermeiros obstetras e técnicos de enfermagem altamente qualificados, que oferecem assistência em tempo integral.

Além de um espaço físico adequado, a unidade tem dois consultórios, duas salas de parto, sendo uma com banheira, seis leitos de alojamento conjunto, uma sala de cuidados de reanimação neonatal.

“Oferecemos autonomia e liberdade para a gestante escolher como quer ter o seu bebê”, declara Jussara ao lembrar que na unidade a mulher é dona do seu corpo e a família tem papel atuante e participativo.

Luciene Torquato