Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/11/15 às 20h41 - Atualizado em 30/10/18 às 15h13

Audiência pública debate Parque Tecnológico e Industrial da Saúde

COMPARTILHAR

Após implantando, local poderá trazer redução de custos aos cofres públicos

BRASÍLIA (23/11/15) – A implementação de um parque tecnológico e industrial da Saúde foi tema de audiência pública na Câmara Legislativa do Distrito Federal nesta segunda-feira (23). Participaram do debate o secretário de Saúde, Fábio Gondim, além de deputados, Conselho de Saúde, representantes de instituições de ensino profissionalizante e sociedade.

“Precisamos de independência na manutenção de equipamentos. Com o parque, poderemos resolver até 90% dos problemas dos equipamentos dos hospitais públicos do DF. Também poderemos desenvolver insumos e ainda abrir espaço para capacitação e estágio”, resumiu Fábio Gondim.

A proposta da implementação de um parque tecnológico da saúde foi aprovada na 9ªConferência de Saúde do Distrito Federal e no Conselho de Saúde. Ele deverá ser instalado no Parque de Apoio da Saúde, que será revitalizado. Segundo Helvécio Ferreira, quando o espaço estiver em funcionamento, será de 75% a redução de custos para a Secretaria de Saúde.

O objetivo é que o ambiente atue em rede, como catalizador de capacidades técnicas consolidadas na região e no País, visando desenvolver, testar e disseminar inovações e tecnologias sustentáveis aplicadas ao setor de saúde, por meio de parceria entre o setor público, privado e acadêmico do DF.

A previsão é de que sejam gastos R$ 10 milhões para a implementação do parque tecnológico. De acordo com o deputado distrital Chico Vigilante (PT), que propôs a audiência pública, a Câmara Legislativa irá garantir o recurso para isso, além de acompanhar a implantação e fiscalizar o financiamento.

Ainda não há data para o início das obras. Mas um site com todas as informações à respeito do parque tecnológico entrará no ar até o fim desta semana.

Histórico – A saúde do DF já teve em sua estrutura o chamado Parque de Apoio e foi desativado com o fim da Fundação Hospitalar do DF em 2000. Nesta época este parque existia em plena atividade, onde funcionava um sistema de gerência de manutenção preventiva e corretiva, treinamento de pessoal e formação de técnicos da rede aptos a atuarem na manutenção em diversos tipos de equipamentos hospitalares.
Ao ser desativado, as atividades realizadas nesta unidade foram gradativamente sendo absorvidas por empresas que prestam serviços a Secretaria de Saúde. Neste novo modelo proposto a saúde, do DF retomará essas atividades usando sua própria estrutura e pessoal.