Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/14 às 14h06 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Caderneta de Saúde da Criança precisa de cuidados

COMPARTILHAR

Secretaria faz um alerta sobre a importância de guardar bem o documento

BRASÍLIA (10/12/14) – Quando um bebê nasce no DF, ele ou ela imediatamente ganha uma caderneta de saúde da criança onde são preenchidos peso, altura, dentre outros dados importantes até os 10 anos de idade. Devido à relevância dessas informações, a Secretaria de Saúde alerta aos pais e cuidadores para guardarem o livrinho como um documento.

Técnica do Núcleo de Saúde da Criança da Secretaria de Saúde, Miriam Santos, ressaltou a importância do conteúdo das primeiras 36 páginas, que tratam sobre os cuidados e a evolução infantil.

“Os pais e os cuidadores devem ler a caderneta, porque ela traz dados e informações sobre a evolução dos meninos e meninas, que, muitas vezes, podem evitar uma visita a um posto de saúde ou até mesmo à um serviço de emergência”, explicou. “Eles devem cuidar bem e guardar o documento, sem deixar que as crianças rabisquem ou façam desenhos em suas páginas”, acrescentou Miriam.

Entre os dados contidos na primeira parte da caderneta encontram-se os direitos da criança e dos pais; orientações sobre o registro de nascimento; amamentação; alimentação saudável; vacinação; crescimento e desenvolvimento; sinais de perigo de doenças graves; prevenção de acidentes e violências; entre outros.

A segunda metade da caderneta deve ser preenchida por profissionais de saúde, com espaço para registro de informações importantes relacionadas à saúde da criança. “Esses dados funcionam como um prontuário. Por isso, toda vez que a criança for atendida por um profissional de saúde, é preciso que o adulto que a estiver acompanhando leve o documento”, frisou.

A caderneta é diferente para meninos e meninas, já que o crescimento dos dois é diferente. Entre os dados que os profissionais da saúde vão preencher estão altura e peso, que darão a curva de crescimento; perímetro cefálico: índice de massa corporal; pressão arterial, evolução dos dentes; alimentação e suplementos alimentares; acidentes; registro de alergias e prevenção de acidentes.

Além de dados sobre a evolução física da criança, a caderneta também acompanha a evolução de suas habilidades. Os chamados marcos são as ações que a criança precisa executar a uma determinada idade, como apontar objetos, andar, brincar com outras crianças, vestir-se sozinha, entre outras, e que ajudam a determinar algum atraso de desenvolvimento e problemas como autismo ou Síndrome de Down.

VACINAÇÃO – Outro motivo importante para cuidar bem da caderneta de saúde da criança é que ela funciona como carteira de vacinação.

“A maioria das escolas pede o documento para poder fazer a matrícula, mas se os pais perdem caderneta, vão ter que pedir um certificado na unidade de saúde onde vacinam seus filhos. Por isso, é tão importante vincular-se a uma unidade de saúde e vacinar a criança sempre lá, para que tenham o histórico de vacinação”, destacou Miriam.

O documento deve ser levado pelos pais ou cuidadores em viagens para que um profissional de saúde possa ter o histórico da criança e atendê-la corretamente, caso haja necessidade quando o menino ou menina estiver fora da cidade onde mora.

Dayane Andrade Silva, mãe do pequeno Jhonatan, escutou atentamente as indicações da técnica de enfermagem do HMIB, Luciene Cerqueira, sobre os dados que contêm a caderneta de saúde da criança, as próximas vacinas, sua importância: “Levo a caderneta dos meus filhos toda vez que vão vacinar, a uma consulta, a praticamente qualquer lugar onde vá”.

A partir dos 10 anos, a criança ganha uma nova caderneta de saúde, a do adolescente, que passará a acompanhar sua evolução até que complete 20 anos, momento no qual a pessoa passa a ser considerada adulta.