Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/14 às 19h55 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

CAPS AD de Samambaia acolhe mais de 1.500 pessoas em um ano

A unidade comemorou o primeiro ano nesta quarta-feira (23)

 “O CAPS é uma mão acolhedora, onde você encontra a realidade e o resgate da vida. Aqui, eu resgatei minha vida”, disse a usuária de serviço, Érica Fernandes dos Santos, 35 anos, durante a solenidade de comemoração do primeiro ano de funcionamento do Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (CAPS AD III) de Samambaia, nesta quarta-feira (23).

Érica relatou que iniciou o tratamento no CAPS AD III da Rodoviária e, em seguida, foi transferida para a Unidade de Acolhimento Transitório Residencial (UA) de Samambaia, que é um recurso do CAPS AD III na cidade. Ela conta que permaneceu nessa unidade por seis meses. “Fiz o tratamento durante um ano e sete meses ao todo. Hoje eu tenho trabalho e estou em casa”, informou.

Em um ano, o CAPS AD III de Samambaia acolheu mais de 1.500 pessoas e famílias. De acordo com o gerente da unidade, Ademário Britto, a maioria desses usuários buscou o serviço por conta própria e outros foram encaminhados pela família, instituições de saúde, justiça ou outros parceiros. “De cada quatro pessoas que buscam o CAPS, três permanecem e se envolvem com o processo de trabalho. Isso faz toda diferença na vida dessas pessoas e da família”, completou o gerente.

As festividades desta quarta-feira (23) tiveram início com uma mesa redonda, que enfatizou o tema “Os avanços do DF na Política sobre Drogas e a importância da Intersetorialidade na concretização desses ganhos”. O evento contou com as presenças da deputada Federal, Érika Kokay, do diretor de Saúde Mental da SES/DF, Augusto Cesar de Farias Costa, da coordenadora Geral de Saúde de Samambaia, Paula Garcia de Araújo, dos usuários de serviço, familiares, comunidade, diretores, gerentes e servidores.

Aconteceram ainda apresentações de violino e violão, apresentação do coral do CAPS AD e, para finalizar, servidores e usuários soltaram balões que continham frases com desejos dos usuários.

“Esse CAPS representa o esforço de um coletivo, de um conjunto de leis e esforço de um país. Samambaia é a região do DF que mais está consolidada com serviços de saúde mental”, destacou o diretor de Saúde Mental da SES/DF, Augusto Cesar de Farias, durante a solenidade.

Para a coordenadora Geral de Saúde de Samambaia, Paula Garcia de Araújo, o CAPS AD implementa e põe em prática a nova política de atendimento da saúde mental – álcool e drogas. “É uma política que proporciona não apenas a abstinência total do paciente, mas também um trabalho de redução de danos para o paciente, sua família e para a comunidade. É um trabalho que busca a reinserção social, por meio da intersetorialidade”, comentou.

Comemoração

Para comemorar a data, a unidade preparou uma semana especial com diversas atividades para os usuários e a comunidade. Na terça-feira (22) ocorreu uma roda de terapia comunitária e na quinta-feira (24), os usuários de todos os CAPS do DF participarão, pela manhã, de um campeonato de futebol, e à tarde, visitarão o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. O fechamento das comemorações será na sexta-feira (25), com um encontro de redes, com a participação de representantes civis, do Executivo e Judiciário, para propor ações, baseadas no papel de cada um, para o trabalho de reinserção social do usuário de álcool e drogas.

CAPS AD III – Samambaia

A unidade funciona 24 horas, todos os dias da semana, oferece acolhimento diário, por demanda espontânea, a usuários adultos de álcool e drogas, bem como a seus familiares. Cada paciente tem um projeto terapêutico individual, acompanhado por uma equipe multidisciplinar. São realizados mais de mil atendimentos individuais por mês.

A equipe é multiprofissional e interdisciplinar, formada por psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, farmacêuticos, psiquiatras, clínico geral, enfermeiros, técnicos de enfermagem e administrativos.

São oferecidos, além de atendimento individual e familiar, oficinas terapêuticas e psicossociais música, artesanato, corpo e mente; terapia comunitária; grupos de família, de verbalização, de atividades lúdicas, de orientação, de construção da autonomia e estímulo à participação social, entre outros.

Os pacientes do CAPS dispõem dos serviços oferecidos pela Unidade de Acolhimento Residencial Transitório (UA), que atua no processo de vulnerabilidades sociais dos pacientes e tem capacidade para receber até 15 pessoas por vez, com tempo de permanência de no máximo seis meses. Trata-se de um espaço confortável que tenta reproduzir o ambiente residencial para aqueles que estejam em tratamento no CAPS-AD III.

O atendimento abrange, além dos moradores de Samambaia, também os de Taguatinga e do Recanto das Emas.

A Secretaria de Saúde conta atualmente com 16 Centros de Atenção Psicossocial. Desses, nove são voltados especificamente para o atendimento a usuários de álcool e drogas, sendo que cinco funcionam 24 horas e dois são para atendimento a infância e a adolescência. São eles: o CAPS AD III – Rodoviária, CAPS AD II – Itapoã, CAPS AD III – Samambaia, CAPS AD III Infanto-juvenil – Taguatinga, CAPS AD III – Ceilândia, CAPS AD III Infanto-juvenil – Brasília, CAPS AD II – Sobradinho, CAPS AD II – Santa Maria (Flor de Lotus) e CAPS AD II – Guará.

Serviço:

O CAPS AD III de Samambaia está localizado na QS 107, Conjunto 7, Lotes 3 e 4 – Samambaia Sul.

Iêda Oliveira, da Agência Saúde DF