Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/06/15 às 18h16 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Casos de dengue continuam a diminuir no DF

Em relação ao mesmo período de 2014 a queda registrada é de 28,15%

BRASÍLIA (22/6/15) – A Secretaria de Saúde do DF divulgou hoje (22) o Informe Epidemiológico nº 20 da dengue. De acordo com o boletim, o DF registrou até o momento 7.128 casos confirmados da doença. Em 2014, durante o mesmo período, foram 9.921. Uma redução de 28,15%.

Entre as regiões administrativas, Planaltina, Gama e Ceilândia continuam sendo as cidades com os maiores registros. Porém, os números são menores do que do ano passado.

“Hoje, não se pode mais alegar que a ocorrência de casos deve-se apenas ao período de chuva. É necessário que a população incorpore a pratica da prevenção ao longo de todo o ano”, destaca o chefe da Assessoria de Mobilização Institucional e Social para Prevenção à Dengue, Ailton Domício.

AÇÕES INTENSIFICADAS – Para continuar a diminuir os casos de dengue no DF, principalmente nas cidades onde existe maior ocorrência, a Secretaria de Saúde vem intensificando as ações de combate. A Vigilância Ambiental da Subsecretaria de Vigilância à Saúde (SVS) conta com o importante apoio de órgãos do Governo: Administrações Regionais, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Exército e SLU.

Uma das cidades que vem recebendo essas ações intensificadas é Planaltina, que lidera o ranking de cidades com maior número de casos. Durante um mês os vigilantes ambientais, em parceria com a polícia militar, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e administração regional, farão inspeção em casas e terrenos baldios e limpeza da cidade, com o recolhimento de entulhos. Com apoio da Polícia Militar, as equipes entrarão com ordem judicial em locais fechados para fazer a limpeza e eliminar focos. Até o dia 30 de junho os militares do Exército e Corpo de Bombeiros também atuarão na região.

“As ações diárias possuem o objetivo de orientar a população durante as visitas aos imóveis, fazer a busca ativa aos focos do mosquito e combater sua proliferação”, informa Ailton.