Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/11/20 às 15h54 - Atualizado em 1/12/20 às 16h09

Ceilândia será primeira região a receber inquérito epidemiológico da Covid-19

Secretaria de Saúde busca avaliar a circulação da doença e preparar o DF para uma possível segunda onda

 

LEANDRO CIPRIANO

 

O Governo do Distrito Federal (GDF) saiu na frente para enfrentar uma possível segunda onda do novo coronavírus. A partir desta quarta-feira (2/12), profissionais de saúde, bombeiros e viaturas vão dar início ao inquérito epidemiológico da Secretaria de Saúde para aplicar testes de detecção da Covid-19 em todas as 34 regiões administrativas do DF, a começar por Ceilândia. Os detalhes sobre a ação foram informados, nesta segunda-feira (30), em uma coletiva de imprensa realizada no Palácio do Buriti com os gestores da pasta.

 

Coletiva de imprensa reuniu gestores da Saúde para apresentar ações contra uma possível segunda onda – Foto: Renato Alves/Agência Brasília

 

O objetivo do inquérito é avaliar a circulação do novo coronavírus nas regiões e preparar o DF caso ocorra uma segunda onda da doença. Para isso, a ação será feita por amostragem e sorteio, com busca ativa nas residências para fazer os testes. Serão sorteadas 230 pessoas em cada uma das 34 regiões administrativas para fazer exames e identificar se estão com anticorpos ou não. Só serão testados maiores de 18 anos.

 

A Secretaria de Saúde conta ainda com o apoio da Fecomércio, que fez a doação de 10 mil testes para serem usados nessa investigação. Foram solicitados 34 profissionais da Atenção Primária, 34 bombeiros e viaturas, além de mais 34 profissionais do Serviço Social do Comércio (Sesc). Tendo todos os pedidos de apoio atendidos, a previsão é de que o inquérito se estenda até 20 de dezembro.

 

De acordo com o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, o inquérito faz-se necessário, especialmente depois que a taxa de transmissão da doença no DF subiu de 1 para 1,3. Isso indica a expansão da transmissão da doença no Distrito Federal, com 88% das regiões administrativas registrando esse aumento.

 

“Ficamos muito preocupados, porque temos observado que a população não está tomando os devidos cuidados necessários em relação à progressão do coronavírus”, alertou Okumoto. “Por isso o inquérito epidemiológico é necessário, para entender como o vírus circulou no DF, como está circulando neste momento e qual a possibilidade, por região, de ter uma segunda onda”, completou.

 

Segundo Osnei Okumoto, o inquérito é importante para entender como o vírus circulou pelo DF – Foto: Renato Alves/Agência Brasília

 

Para que a iniciativa dê frutos, o diretor de Vigilância Epidemiológica, Cássio Peterka, informou que está alinhando a ação com o Corpo de Bombeiros e o Sesc para organizar a aplicação do inquérito em Ceilândia, região com maior registro de casos da Covid-19. Para ele, é fundamental que os moradores sejam informados sobre a iniciativa e contribuam ao receber os profissionais de saúde em suas residências.

 

“O resultado disso será importante, porque é como se fosse uma fotografia do que aconteceu no Distrito Federal. Vamos utilizar o inquérito sorológico para saber quais pessoas já tiveram, ou não, contato com a Covid-19. Lembrando que nem todo mundo que tem contato com o vírus adoece”, destacou o diretor de Vigilância Epidemiológica.

 

Atenção Primária

 

Cássio Peterka também ressaltou a importância do papel da Atenção Primária, formada pelos profissionais das unidades básicas de saúde (UBSs). O novo plano de combate ao coronavírus prevê mudanças no atendimento dos pacientes vítimas da pandemia. O foco, dessa vez, será nas UBSs que prestam atendimento à população, em vez de ter um hospital como referência.

 

“O fortalecimento e incremento de ações juntos à Atenção Primária à Saúde são fundamentais, para que a gente consiga não só captar os casos da doença, mas fazer o rastreio dos contatos e, assim, tentar eliminar as chances de transmissão da doença”, disse o diretor.

 

O secretário adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanchez, explicou que cada região será preparada para atender os pacientes. Vão ter estrutura, equipamentos, insumos e profissionais para acolher e tratar os acometidos pela Covid-19.

 

“Todas as UBSs estão com insumos para fazer esse acompanhamento, com as equipes de Saúde de Família recebendo as orientações para atender os pacientes. Só quando for necessário, os pacientes serão transferidos para algum hospital”, disse Sanchez.

 

 

Petrus Sanchez explicou que cada região será preparada para atender os pacientes com Covid-19 – Foto: Renato Alves/Agência Brasília

 

O plano prevê também mudar fluxos de serviço, reforçar o atendimento com mais profissionais de saúde e até monitorar, por telefone, pacientes e familiares suspeitos de contaminação pela doença.

 

Retaguarda

 

Também presente à coletiva de imprensa, o diretor-presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), Paulo Ricardo Silva, garantiu o reforço das unidades de saúde geridas pelo instituto em caso de uma possível segunda onda da doença. São elas as seis Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), além dos hospitais de Base e de Santa Maria.

 

“Continuaremos à disposição da Secretaria de Saúde como retaguarda, dentro dessa nova dinâmica em que as UBSs serão a porta de entrada para pacientes portadores da Covid-19. Havendo necessidade, nos oferecemos à retaguarda dos nossos hospitais para os pacientes que precisarem de uma UTI ou UCI”, assegurou Paulo Ricardo Silva.

 

Também participaram da coletiva o secretário adjunto de Gestão, Bruno Tempesta; e o assessor da Subsecretaria de Logística, Gilson Martins.