Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/03/16 às 20h44 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

Conselho de Saúde do Guará discute prioridades para a população do Lúcio Costa

COMPARTILHAR

Implantação de novas unidades de atendimento foi a principal reivindicação

BRASÍLIA (8/3/15) – Em reunião nesta segunda-feira (7), o Conselho de Saúde do Guará discutiu os problemas que atingem a população residente no Lúcio Costa. A temática mais importante foi a situação do posto policial doado à Secretaria de Saúde do DF no final do último governo, que abrigaria equipes do programa Estratégia em Saúde da Família (ESF).

Em abril de 2015, a unidade foi invadida por vândalos e, hoje, a população e profissionais lutam para que o local tenha a sua destinação. A atual Unidade Básica de Saúde existente não tem estrutura física para abrigar equipes.

O serviço mais prejudicado é o atendimento de odontologia, que também funcionaria na unidade. Atualmente, o trabalho tem sido feito provisoriamente no Hospital Regional do Guará.

A chegada da dentista Érika Mendonça, que faz atendimentos no hospital e visita creches e escolas do Lúcio Costa com palestras educativas, permitiu a abertura do serviço para a população, que antes era atendida pelo Centro de Saúde n.º01 do Guará.

“Realizar o atendimento no local aonde o paciente reside é o que o SUS preconiza, mas a falta do consultório não tem impedido o meu trabalho. É a primeira vez que essa população tem a oportunidade de ter o serviço perto de casa e tenho lutado para que essa situação seja resolvida. Por isso, fiz questão de vir hoje e dar o meu depoimento aqui”, declarou.

AMPLIAÇÃO – Outra questão abordada foi a ampliação dos serviços do Lúcio Costa, que na reestruturação se tornou Unidade Básica de Saúde nº 5 do Guará.

Grasieli Vilela é a atual gerente da unidade e também foi recorrer aos conselheiros em busca de apoio para que o posto policial seja retomado, como também seja feito um levantamento de áreas para ampliação do antigo posto que pelo tombamento, não pode sofrer alterações.

“A situação é delicada porque queremos oferecer os serviços à população, mas temos esbarrado na estrutura física do local, que não comporta e ainda na falta de espaços públicos disponíveis no Lúcio Costa. Cogitamos também o aluguel de um lugar, mas devido à situação de crise na Saúde, não sabemos se será possível”, declarou Vilela.

Esta semana ainda, os conselheiros encaminharão um ofício sobre as situações levantadas para a Superintendência Centro-Sul, responsável agora pela área do Guará, e órgãos que possam intervir na situação. Atualmente, além dos serviços já prestados, a Unidade de Saúde nº 05 do Lúcio Costa possui uma equipe de Saúde da Família.