Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/04/18 às 15h29 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

DF imunizou 117,1 mil pessoas em quatro dias de campanha

COMPARTILHAR

 

Campanha contra o Influenza vai até 1º de junho. Foto: Matheus Oliveira

 

 

A Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza no DF registrou 117.152 pessoas imunizadas até quinta-feira (26). O número, divulgado no boletim epidemiológico publicado nesta sexta-feira (27), corresponde a 16,5% da meta estabelecida.

 

Os idosos foram os que mais procuraram os postos. Até agora, 54.297 pessoas dessa faixa etária, o equivalente a 26,7% dos 203.639 indivíduos que fazem parte do grupo, foram vacinadas.

 

“O número é bom, está dentro do esperado, já que ainda temos seis semanas para que as pessoas busquem a imunização”, explicou a diretora de Vigilância Epidemiológica da pasta, Maria Beatriz Ruy.

 

A meta na capital federal é vacinar 706.988 pessoas, enquanto o objetivo é alcançar 90% de cobertura vacinal.

 

Iniciada segunda-feira (23), a ação conta com 114 salas de vacinação distribuídas entre as unidades básicas de saúde e se estenderá até 1º de junho, com o Dia D em 12 de maio.

 

Os públicos menos vacinados até agora foram os professores (8,3% ou 3.477), crianças (9,6% ou 17.439), pessoas com comorbidades (12,2% ou 14.425 mil) e gestantes (12,2% ou 3.960 mil).

 

PÚBLICO-ALVO – Os grupos a serem vacinados em 2018 são: trabalhadores de saúde, pessoas de 60 anos ou mais de idade, crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), as gestantes, as puérperas (até 45 dias após o parto) e indígenas.

 

Também fazem parte os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens que estejam cumprindo medidas socioeducativas, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

 

Professores de escolas públicas e particulares também estão na lista dos grupos prioritários para a vacinação.

 

NÚMEROS – No DF, em 2018, até a semana epidemiológica 16, foram notificados 525 casos pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo 413 em moradores do DF.

 

Das notificações da SRAG em moradores do DF, 53,9% (223/413) dos casos foram positivos para vírus respiratórios, 9,2% (38/413) foram negativas para vírus respiratório e 23,2% (96/413) permanecem em investigação. Em 13,8% (57/413) dos casos notificados não houve coleta.

 

Dentre os positivos para vírus respiratórios, em 65,3% (145/223) dos casos foi isolado o vírus sincicial respiratório (VSR), em 16,6% (37/223) isolou-se o metapneumovírus, o vírus influenza A (H1N1) em 6,7% (15/223), o influenza A (H3N2) foi isolado em 3,6% (8/223) dos casos e o influenza B, em 1,3% dos registros (3/223).

 

Foram isolados ainda em 1,8% (4/223) dos casos o adenovírus; em 0,9% (2/223) o parainfluenza 1; em 1,8% (4/223) o parainfluenza 2; em 1,3% (3/223) o parainfluenza 3; e  em 0,4% (1/223) dos casos foi isolado o vírus influenza A não subtipado 1.

 

Até o momento foram confirmados quatro óbitos de SRAG confirmado por vírus respiratório em moradores do DF, sendo três em crianças menores de um ano – um por metapneumovírus e dois pelo VSR. O quarto óbito foi de um adulto, causado pelo vírus influenza A (H1N1).

 

Confira abaixo algumas medidas que evitam a transmissão da gripe e outras doenças respiratórias: 

– Higienização das mãos, principalmente, antes de consumir algum alimento

– Utilizar lenço descartável para higiene nasal

– Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir

– Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca

– Higienizar as mãos após tossir ou espirrar

– Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas

– Manter os ambientes bem ventilados

– Não ter contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe

– Evitar sair de casa no período de transmissão da doença

– Fugir de aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados)

– Adotar hábitos saudáveis, com alimentação balanceada e ingestão de líquidos

 

TEXTO: Ailane Silva, da Agência Saúde.