Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
17/02/20 às 17h33 - Atualizado em 17/02/20 às 20h19

Dia D contra sarampo tem balanço positivo

Somente 6%, das 58.854 pessoas que compareceram aos pontos de vacinação estavam com a vacina contra sarampo atrasada

 

Dia D da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, o último sábado (15) foi marcado pela mobilização nos 88 pontos de vacinação em todo o Distrito Federal. Sendo quatro deles em shoppings e dois em administração regional. A meta era imunizar crianças e jovens com idades entre 5 e 19 anos e atualizar a caderneta de vacinação. Além da tríplice viral, que imuniza contra o sarampo, caxumba e rubéola, estavam disponíveis outras vacinas, como contra a meningite C e HPV.

 

Das 58.854 pessoas que compareceram aos pontos de vacinação, 3.638 estavam com a caderneta em atraso para a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), o que corresponde a 6% de vacinados. A área técnica de imunização da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) avalia que este é um bom índice, pois demonstra que a população desta faixa etária está protegida contra o sarampo.

 

“Considerando que esta campanha não tem uma meta estabelecida, pois tem como objetivo o resgate das pessoas que possuem alguma vacina em atraso, avaliamos o andamento da campanha como satisfatório”, analisa o diretor de Vigilância Epidemiológica, Cássio Peterka.

 

Segundo o diretor, a experiência de colocar postos de vacinação fora das salas convencionais foi bastante positiva, pois houve grande procura da população. A campanha de vacinação contra o sarampo continua nas salas de vacinas da rede pública até o dia 13 de março.

 

Mais duas etapas da campanha contemplarão outras faixas etárias, uma em junho, para pessoas de 20 a 29 anos, e outra em agosto, para aqueles com 30 a 59 anos de idade. No Distrito Federal, oito casos de sarampo foram confirmados em 2019. Neste ano, cinco foram notificados e estão em investigação.

 

OUTRAS VACINAS – Em relação à atualização das demais vacinas, foi observado que a maior demanda foi para HPV, meningite C e febre amarela, uma vez que, apenas no sábado, a Rede de Frio do Distrito Federal distribuiu o total equivalente a um mês de consumo destas doses.

 

Jurana Lopes, da Agência Saúde

Fotos: Geovana Albuquerque/Saúde DF