Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/03/20 às 18h04 - Atualizado em 16/03/20 às 15h54

Dia D de Combate à dengue prossegue neste sábado (14)

Mais cinco regiões administrativas serão contempladas.

 

As ações de combate ao mosquito Aedes aegypti no Distrito Federal não param de acontecer. Neste sábado (14), as regiões de Ceilândia, Fercal, Vicente Pires, Vila Planalto e Planaltina vão receber as equipes do Corpo de Bombeiros Militar e da Vigilância Ambiental para inspeção dos domicílios.

 

A mobilização contará com o trabalho de 250 bombeiros militares e 100 agentes da vigilância ambiental. Além de 15 viaturas do Corpo de Bombeiros e dez viaturas da Vigilância Ambiental. Dessa vez, devido ao decreto publicado pelo governador Ibaneis Rocha em relação ao Coronavíruas, não haverá a concentração que normalmente acontecia no início da ação.

 

O objetivo do Dia D de Combate à Dengue é mobilizar a população e órgãos públicos para as ações de enfrentamento da doença. Além de orientar a população sobre o combate correto ao mosquito transmissor da dengue.

 

Das 8h às 14h, as equipes vão se empenhar em percorrer o maior número de casas, identificar focos e eliminá-los, além de orientar a população. A inspeção domiciliar é feita com tratamento biológico.

 

TRABALHO CONTÍNUO – As ações promovidas pela Sala Distrital de Combate à Dengue incluem a utilização de drones para verificação de terrenos com edificações fechadas ou abandonadas e, também, de helicópteros. Além da retirada de carros abandonados pelas ruas de todo o Distrito Federal.

 

A Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) também executa um trabalho constante de visita às residências e locais com prováveis focos do mosquito Aedes aegypti, trabalhando com manejos ambientais, aplicação de fumacê e educação ambiental.

 

FUMACÊ – O carro do fumacê passa nas regiões administrativas todos os dias, durante a madrugada (5h30 às 9h30) e no final do dia (17h30 às 21h30).

 

 

 

Jurana Lopes, da Agência Saúde

Fotos: Geovana Albuquerque e Breno Esaki, da Agência Saúde