Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/07/20 às 15h38 - Atualizado em 2/07/20 às 15h39

Doenças alérgicas e Covid-19 são debatidas na Semana Mundial da Alergia

Especialistas orientam que pacientes devem manter o tratamento em dia para controle das doenças alérgicas

 

ÉRIKA BRAGANÇA, AGÊNCIA SAÚDE

 

A Covid-19 trouxe vários questionamentos quanto aos cuidados com a saúde pessoal. Um deles é o de dar continuidade ao tratamento referente a outras doenças, principalmente, as crônicas. Com essa preocupação, a Semana Mundial da Alergia, da Organização Mundial da Alergia (WAO), traz como tema “os cuidados com as alergias não param com a Covid-19”. A médica Marta Guidacci, especialista em alergia e imunologia e coordenadora substituta da Alergia na Secretaria de Saúde, participa como palestrante no evento.

 

O encontro, que devido à pandemia ocorre em ambiente virtual, aborda a manutenção ao tratamento como fator diferencial contra o vírus. Pacientes com doenças alérgicas crônicas respiratórias se não estiverem adequadamente controladas podem tê-las como um fator complicador para a Covid-19, pois a doença ataca principalmente o trato respiratório superior e inferior.

 

Além de temas relacionados às doenças alérgicas, os médicos especialistas em alergia e imunologia trazem informações importantes também sobre imunidade e imunodeficiência. A doença não tem atingido apenas idosos, imunossuprimidos e pessoas do grupos de risco, mas também pessoas saudáveis e jovens. Pacientes com diagnóstico de imunodeficiência primária são frequentemente reconhecidos pela sua elevada suscetibilidade a infecções. Por isso, a importância da recomendação de manter medidas preventivas de autocuidado, o tratamento em dia e hábitos de vida saudáveis para enfrentar a pandemia.

 

Para quem faz tratamento e o acompanhamento das doenças alérgicas e imunológicas, a frase “não suspender qualquer tratamento sem conversar com seu médico” é unanimidade na comunidade médica. Infelizmente, como a pandemia exige isolamento social, muitos pacientes com medo do contágio, têm evitado a ida ao médico e a continuidade do tratamento fica ameaçada. No entanto, muitos têm utilizado a telemedicina ao seu favor e consultas estão sendo realizadas de maneira virtual.

 

Marta Guidacci reforça o alerta. “Pacientes com diagnóstico de doenças crônicas como Asma, Rinite Alérgica, Conjuntivite Alérgica, Dermatite Atópica ou Imunodeficiências Primárias devem manter o tratamento preventivo conforme orientações de seu médico. Não devem se automedicar”.

 

A Semana Mundial de Alergia começou no dia 28 de junho e segue até o dia 4 deste mês. As apresentações ocorrem via YouTube da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI). Especialistas internacionais também irão discutir o tópico “Covid-19 e Doenças Alérgicas” num webinar complementar, que terá lugar dia 2 de julho, quinta-feira, às 15h, horário de Lisboa, Portugal. As apresentações são seguidas de uma sessão pergunta-resposta. O programa será composto por sessões destinadas a médicos e à população em geral.

 

Detalhes e registo estão disponíveis no site.

 

Verdades sobre as alergias e Covid-19:

1. As doenças alérgicas, principalmente a asma, se estiverem bem controladas não representam fator de risco para Covid-19
2. Espirros e coceira no nariz são sintomas associados à rinite alérgica, enquanto a febre, fadiga, falta de ar são sinais de uma possível infeção por Sars-CoV-2
3. Imunodeficiências primárias apresentam o mesmo risco para que todas as pessoas possam se infectar pelo coronavírus, mas apresentam riscos elevados para as pessoas tenham a doença respiratória grave por esse vírus, na dependência do tipo de defeito do sistema imunológico.

 

Medidas de Prevenção:

1. Pacientes com comorbidades graves ou não controladas devem manter o isolamento social, se possível
2. Não suspender qualquer tratamento por conta própria
3. Aplicação de imunoglobulina não deve ser suspensa, mas mudanças no intervalo de aplicação e uso domiciliar devem ser considerados
4. Não usar qualquer medicamento novo sem conversar com seu médico