Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/06/15 às 21h35 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Emergência do HRT deve voltar à normalidade nesta terça-feira (2)

Cinco pacientes colonizados com a enterococo foram transferidos para outra área do hospital. Salas Vermelha e Amarela estão passando por limpeza geral

BRASÍLIA (1/6/15) – Os 25 pacientes que tiveram amostras coletadas no Hospital Regional de Taguatinga (HRT) sob suspeita de estarem com a bactéria esterococo ou KPC tiveram os resultados divulgados: oito estavam com bactérias, sendo que três morreram. Dois desses óbitos tiveram resultados positivos para enterococo, e um positivo para KPC.

Os cinco pacientes colonizados restantes continuam internados, isolados do restante, inclusive a senhora de 79 anos que primeiro foi detectada com a enterococo. Eles foram transferidos para outras áreas do HRT e estão sendo tratados com restrição de contato.

Todos os colonizados já tinham doenças crônicas graves e, por isso, precisam tomar antibióticos. Com isso, as bactérias desenvolveram resistência a este tipo de medicamento.

Os demais pacientes que fizeram o teste e não tiveram resultado positivo para as bactérias já saíram do isolamento e terão encaminhamento caso a caso. “Aqueles que puderem receber alta, receberão. Os que ainda precisarem ficar no hospital, serão encaminhados para as áreas responsáveis, saindo do Pronto Socorro”, explicou a coordenadora de infectologia da Secretaria de Saúde, Maria de Loudes Lopes.

Todos os pacientes que estavam nas salas Vermelha e Amarela foram transferidos para outros setores do hospital. Com isso, essas áreas estão passando por uma limpeza total nesta segunda-feira (1). “A previsão da direção do HRT é que a emergência do hospital seja reaberta, em sua plenitude, nesta terça-feira (2)”, observou Maria de Lourdes. Neste momento, permanecem paralisados os atendimentos de clínica médica, cirurgia-geral, cardiologia e ortopedia.

HISTÓRICO – Na última quinta-feira (28), a emergência do Hospital Regional de Taguatinga precisou ser fechada parcialmente devido à contaminação de uma paciente pela bactéria enterecoco. A medida foi adotada por precaução pela direção da unidade, para evitar a contaminação de outros pacientes.

Segundo a infectologista do HRT, Heloísa Ravagnani, o enterococo é uma bactéria que existe no trato intestinal do ser humano. Quando uma pessoa toma antibiótico indiscriminadamente, fica muito tempo internada em hospital ou está com baixa imunidade, essa bactéria pode se tornar multirresistente. A forma de contágio é pelo contato com a pessoa infectada.

Assim como a enterecoco, a KPC pode ser encontrada no organismo do ser humano. A transmissão ocorre em ambiente hospitalar, através do contato com o paciente infectado. A KPC pode causar pneumonia, infecções sanguíneas, no trato urinário, em feridas cirúrgicas, enfermidades que podem evoluir para um quadro de infecção generalizada, muitas vezes, mortal.

A saúde ressalta que faz rigoroso controle de infecções e que a população não deve se alarmar.

HOSPITAL DO GUARÁ – No Hospital Regional do Guará, três pacientes foram isolados na unidade de clínica médica. Dois deles estavam colonizados e um outro, infectado, com a Acinetobacter baumanii.

A medida adotada pelo corpo médico do HRGU foi o bloqueio de internação em leitos vizinhos aos dos três pacientes. O contágio ocorre pelo toque, não havendo outro meio de transmissão. A Acinetobacter baumanii é uma bactéria resistente e comum em ambientes hospitalares.