Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/03/15 às 19h23 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Frota de 30 minivans reforçará atendimento médico domiciliar

Veículos adquiridos pela Secretaria de Saúde serão utilizados no atendimento de pacientes crônicos acamados em casa

BRASÍLIA (9/3/15) – Trinta veículos modelo Doblô foram adquiridos pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal para serem utilizados pelas equipes do Programa de Internação Domiciliar (PID), que visitam pacientes crônicos com quadros clínicos agravados e necessitam de assistência médica em suas residências. Esta é a primeira vez que o programa recebe uma frota exclusiva para realizar o deslocamento dos profissionais. Os recursos financeiros para a aquisição, na ordem de R$1,8 milhão, são oriundos do Ministério de Saúde, pelo programa “Melhor em Casa”.

“Esse é um programa de extrema importância. São 1.205 pessoas atendidas em casa, que liberam os leitos hospitalares para quem precisa mais. Em uma perspectiva de humanização da Secretaria de Saúde, nós temos que ampliar esse programa cada vez mais, porque estamos possibilitando que os pacientes possam ser atendidos em casa, com o acolhimento da família, segurança, tranquilidade e conforto”, frisou o governador Rodrigo Rollemberg, durante a solenidade de entrega dos veículos, nesta segunda-feira (9).

De acordo com o secretário de saúde, o próximo passo da SES será credenciar as quatro equipes – de um total de 16 que atuam no programa – que ainda não estão credenciadas ao Ministério da Saúde. “Com isso, deixamos de receber cerca de R$200 mil do governo federal. Agora, vamos trabalhar para fazer o credenciamento dessas quatro equipes. Na situação em que estamos não podemos deixar de receber recursos e também minimizar gastos”, revelou o chefe da pasta.

Os veículos, que já estão emplacados e adesivados, têm assentos para até sete profissionais, entre eles, médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, nutricionista, fisioterapeuta, assistente social, terapeuta ocupacional, além de outros integrantes das equipes multiprofissionais de Atenção Domiciliar (EMAD) e de Apoio (EMAP).

De acordo com a SES, os pacientes são tanto da área urbana quanto da rural e estão acamados e dependem de cuidadores domiciliares. Eles precisam receber cuidados paliativos de doenças como câncer, doenças cardíacas e neurológicas, entre outras, que desenvolveram sequelas e/ou agravamento e em estabilidade clínica.

“Eles não têm mais necessidade de ficar no hospital, porque não tem mais possibilidade de cura terapêutica, mas precisam de acompanhamento. Além de possibilitar o retorno desses pacientes ao convívio familiar, o serviço permite a liberação de leitos a outros pacientes. Outro ponto é a economia, já que o custo de manutenção do leito é muito alto”, frisou a gerente de Atenção Domiciliar da SES, Maria Leopoldina de Castro Villas Boas, ao contabilizar que a economia com a desocupação de leitos varia de 30% a 70%.

A gerente destacou que a transferência dos doentes para seus lares diminui riscos de infecção e re-internações, além da humanização do atendimento, com a participação da família tanto no cuidado quanto nas decisões do Plano Terapêutico.

Maria Leopoldina também lembrou que o atendimento era realizado com veículos cedidos pelas Regionais de Saúde. “Agora, teremos os carros exclusivamente para realizar as visitas, sem depender da agenda de outros setores da Secretaria”, afirmou.

CUIDADOS – Leopoldina detalha que os assistidos estão cadastrados e são classificados de acordo com diversos critérios. A equipe de saúde faz a orientação e o treinamento de cuidadores, geralmente pessoas da família do paciente, para as tarefas de dar banho, alimentação, seguir a prescrição médica e de realizar alguns procedimentos como mudança de decúbito e outros. “Por isso, é necessário a visita dos profissionais, que além de realizar os procedimentos elencados no Plano Terapêutico de cada paciente, orientam aos familiares de como cuidar do paciente”, informou.

Durante a visita, enquanto o médico examina e prescreve medicações quando necessário, o enfermeiro verifica sinais vitais, aplica medicação e cuida de possíveis feridas existentes. Dependendo do caso, os outros profissionais realizam sessões de fisioterapia, avaliação nutricional com prescrição de dieta enteral e outros serviços complementares.

Para realizar o atendimento domiciliar, são transportados até as residências maletas com materiais e insumos como compressas, coberturas para curativos, ampolas e medicamentos, soro e equipamentos básicos. Quando há indicação a SES empresta cama hospitalar, aspirador, cadeira de todas, suporte de soro e outros equipamentos e materiais, que ficam na casa do assistido enquanto houver a necessidade.

SERVIÇO – A SES possui 15 Núcleos Regionais de Atenção Domiciliar (NRAD), localizados em todas as Coordenações Gerais de Saúde. Cada serviço possui, em média, 10 profissionais. Para ter acesso aos serviços, o familiar deve entrar em contato com NRAD da Regional de Saúde onde mora. A solicitação de internação domiciliar será realizada por meio de Relatório Médico.

Dentre os critérios de admissão ao Programa estão: residência e domicílio comprovados no Distrito Federal; cuidador identificado e quadro clínico compatível com o perfil do serviço.

Para maiores informações acessar a home Page da SES-DF,  Internação Domiciliar. (Clique aqui)