Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/10/17 às 20h40 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

HBDF acolhe, com festa, pacientes que serão mastectomizadas

Cirurgia em 14 pacientes será sábado (28)

BRASÍLIA (27/10/17) – Nesse sábado (28), 14 mulheres diagnosticadas com câncer passarão por cirurgia para retirada total ou parcial das mamas (mastectomia) no Hospital de Base, graças a um mutirão promovido pela unidade em parceria com a Rede Feminina de Combate ao Câncer. Para tornar esse momento mais leve, foi promovido, nesta sexta-feira (27), o Chá Rosa, um evento para acolher as pacientes que serão internadas para o procedimento cirúrgico.

“O acolhimento é muito importante porque faz o paciente esquecer que vai passar por uma cirurgia amanhã. Esse evento de hoje muda tudo. A paciente fica mais descansada. Inclusive, há uma aproximação também, que faz com que elas se sintam mais à vontade para tirar dúvidas quanto à doença e ao procedimento pelo qual passarão”, observa a mastologista da unidade, Patrícia Peres.

O clima durante o chá era descontraído, bem diferente do que se espera encontrar num ambiente hospitalar pré-operatório. As pacientes foram recebidas com palmas e balões que continham dentro uma mensagem positiva. Em seguida, foi feita uma dinâmica, onde as mulheres olhavam a si mesma em um espelho dentro de uma caixa e, posteriormente, escreviam em um papel o que desejam para si mesma naquele momento.

Maria da Conceição Cunha

Todas as pacientes ganharam presentes e uma cesta de produtos foi sorteada. A vencedora foi Maria da Conceição Cunha, de 79 anos. Com 16 filhos, um “horror de netos”, como ela mesma disse, a cearense descobriu o câncer há cinco meses e está esperançosa pelo procedimento desse sábado (28). “Já sofri muito nessa vida, mas se Deus me colocou aqui é porque ele sabe o que faz. Já estou tranquila em ver onde estou para fazer essa cirurgia”, disse.

Quem também estava tranquila era a paciente Maria de Fátima Rodrigues, 51 anos. Por causa de dores e uma coceira nos seios, percebeu que algo não estava bem e procurou um hospital. Foi quando fez a mamografia e descobriu o tumor, há um ano. As oito sessões de quimioterapia não foram suficientes para resolver o problema e daí veio a indicação cirúrgica.

“Eu me senti bem acolhida. Sei que o melhor remédio não é o que vai acontecer amanhã, mas sim o que estamos recebendo hoje”, disse Maria de Fátima. Ela completa, ainda, dizendo que o momento do acolhimento foi ímpar porque a fez perceber o esforço dos profissionais em tornar este momento “mais palpável possível e perto de Deus”.

Maria de Fátima Rodrigues

Tanto o evento desta sexta-feira quanto o mutirão da cirurgia estão sendo realizados graças à parceria de voluntários. “Para amanhã estamos com mais ou menos 60 profissionais da área médica, como médicos e enfermeiros. E para realizar o evento de hoje, foram cerca de 30 voluntários”.

Ao final do acolhimento, voluntários da Rede Feminina de Combate ao Câncer e membros da diretoria do hospital cantaram um clássico de Roberto Carlos: “Como é grande o meu amor por você”, com coro engrossado por pacientes e familiares.

FILA – Além das 14 mulheres que serão operadas nesse sábado (28), outras três já passaram pelo mesmo procedimento no último fim de semana e uma quarta deve fazer a cirurgia na segunda-feira (30), segundo a gerente de Medicina Cirúrgica do HBDF, Julister Maia. “Com isso, ficamos com apenas quatro pacientes para zerarmos nossa fila. Elas devem passar pelo procedimento durante todo o mês de novembro”, complementa.

Confira as fotos aqui.