Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/10/21 às 12h38 - Atualizado em 25/10/21 às 12h54

Heróis da Saúde: dedicação ao trabalho e compaixão ao próximo

Conheça a terapeuta ocupacional Fernanda Alcântara, que há 20 anos dedica-se a trazer de volta a mobilidade de seus pacientes

 

ADRIANA SILVA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF | EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA

 

“São 20 anos de experiência na área em que eu consigo desenvolver um trabalho com lesões graves de mão com muita qualidade e podendo fazer a diferença na vida de pacientes, usuários do SUS”. É o que afirma Fernanda Alcântara, terapeuta ocupacional do Centro Especializado em Reabilitação II (CER II) de Taguatinga.

 

Fernanda atua desde 2010 na rede pública de saúde do DF – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

A trajetória profissional de Fernanda começou em Goiânia, sua cidade natal, há 20 anos – dois anos antes de se formar na área. Ela começou a trabalhar com terapia da mão fazendo um estágio voluntário em ortopedia com um renomado cirurgião de mão da capital goiana. Desde então, ela nunca mais parou.

 

Casada e mãe de três filhos, a terapeuta ocupacional chegou a Brasília em 2007. O verbo cuidar sempre esteve presente na vida de Fernanda Alcântara e, foi com esse pensamento, que a servidora de 41 anos decidiu cursar Terapia Ocupacional na PUC de Goiás, com formação no ano de 2003. Fez pós-graduação na Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais em reabilitação do membro superior e terapia da mão no ano de 2004.

 

A profissional dedica-se a cuidar dos pacientes do CER II de Taguatinga Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Em 2007, já morando na capital federal, a terapeuta ocupacional tinha uma meta: ingressar na rede pública de saúde do DF. Naquela época, ainda não existia um serviço especializado em terapia da mão em Brasília.

 

Três anos depois, a profissional entrou para a Secretaria de Saúde e começou sua jornada no SUS trabalhando no Hospital de Apoio de Brasília. Lá, ela atuou na reabilitação física de pacientes neurológicos. Em 2015, ela conseguiu transferência para o CER II de Taguatinga onde viu a possibilidade de abrir o serviço especializado na área de terapia da mão.

 

Terapia da mão

 

Ao entrar para a equipe do CER II de Taguatinga, Fernanda tinha como meta a criação do ambulatório da mão: um sonho profissional. Com a ajuda do gerente da unidade à época, a terapeuta procurou cirurgiões ortopédicos em seus contatos a fim de apresentar o projeto que tinha em mente para o local. As conversas avançaram e o sonho tornou-se realidade.

 

 

A goiana chegou ao DF em 2007 e ingressou na rede pública três anos depois – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Desde então, os serviços são ofertados à comunidade no modelo de portas abertas, em que o paciente necessita apenas do encaminhamento de um médico ortopedista da rede pública de saúde do Distrito Federal para ser atendido na unidade.

 

Missão

 

Para Fernanda Alcântara, seus 20 anos de experiência voltados a trazer qualidade de vida aos pacientes resumem-se em uma palavra: amor. Sentimento que ela nutre por sua profissão em benefício daqueles que mais precisam de seus conhecimentos por meio do SUS e quem, segundo ela, provavelmente não teriam condições de fazer um tratamento completo e de qualidade no setor privado.

 

O trabalho e a dedicação são a missão de Fernanda em prol dos pacientes da rede pública de saúde – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

“Para mim tornou-se uma missão levar um serviço de excelência especializado na área de terapia ocupacional em terapia da mão para o maior número de pessoas que eu puder. Me sinto uma profissional completamente realizada, feliz e grata a Deus por ser instrumento para transformar vidas, sempre sendo fiel aos meus princípios, valores e propósitos”, declara.

 

Mensalmente, mais de 160 pacientes passam pelos cuidados da terapeuta Fernanda.

 

Na semana do servidor, a série Heróis da Saúde irá destacar, ao longo da semana, o trabalho dos profissionais da rede pública do DF e suas respectivas missões profissionais e trajetórias de vida com os cidadãos e o fortalecimento do Sistema Único de Saúde.