Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/04/15 às 10h27 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

HMIB oferece partos cesarianos humanizados

COMPARTILHAR

Aprimoramento do vínculo afetivo entre o bebê e a mãe

BRASÍLIA (6/4/15) – O Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) realiza, em média, 350 partos por mês, 40% são cesarianas. A partir dessa realidade, equipe mobilizou-se para estender ações de humanização aos partos cesarianos.

Segundo a chefe da Ginecologia e Obstetrícia, Lucila Nagata, humanizar o parto significa realizar protocolos de atendimento que respeitem a mãe e a criança. A garantia da alimentação adequada durante o trabalho de parto, a escolha da posição para conceber o filho, a promoção do contato pele a pele após o nascimento são ações que aprimoram o vínculo afetivo entre o bebê e a mãe.

“Durante muito tempo, ligou-se a palavra humanização apenas aos partos normais, mas é importante lembrar que as práticas de humanização podem ser implementadas em todos os tipos de partos e procedimentos dentro de um hospital”, relata Lucila.

Para a auxiliar de enfermagem que já participou de procedimentos desse tipo, Juliana Souza Ramos, essa ação foi possível por causa do incentivo e engajamento da equipe em reconhecer a importância da prática, principalmente por ser um hospital denominado Amigo da Criança e Amigo da Mãe.

Cleidelene Privado de Sá, moradora de Santo Antônio do Descoberto (GO), relata que a sensibilidade da equipe em permitir o contato pele a pele desde o primeiro momento foi fundamental para trazer mais tranqüilidade para ela e seu filho, Vitor Hugo. “Faz muita diferença poder ficar juntinho com o meu bebê. Ele saiu chorando e logo que o colocaram encostado e mim, ficou quietinho”, conta Cleidelene.

A paciente conta que teve seus três filhos no HMIB e que todos foram por meio de cesariana. Segundo ela, o atendimento recebido sempre foi excelente, mas desta vez percebeu a diferença na atuação da equipe e aprovou a mudança. “Antes eles mostravam o bebê já todo enroladinho na tolha e só depois de ir para o quarto eu consegui pegá-lo. Agora foi melhorr, pude ficar com ele pertinho na hora.”