Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/09/17 às 18h37 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Hospital de Apoio oferece atividades para pacientes em reabilitação

Programação é para pessoas com lesão cerebral e medular 

BRASÍLIA (6/9/17) – Pacientes da reabilitação do Hospital de Apoio e seus familiares contam com um série de atividades mensais que ajudam a superar este momento de retorno às atividades após acidentes ou doenças que tenham causado lesões medular e cerebral. Ao todo, são três tipos de cuidado: aulas de esclarecimento, grupo de apoio e atividades físicas adaptadas.

Nas aulas de esclarecimento, pacientes e cuidadores recebem informações sobre as novas condições físicas. As aulas, próprias para leigos, são ministradas pela equipe de fisiatria, enfermagem, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e fonoaudiólogos. As aulas são separadas por tipo de lesão, sendo uma para medular e outra para cerebral.

Já no grupo de apoio, são trabalhadas maneiras de o paciente entender e aceitar sua nova condição física. “São pacientes que tiveram sua vida normal interrompida pela lesão, fazendo com que a vida fique diferente, com limitações. Isso é difícil para alguns aceitarem. Então, trabalhamos de modo que eles voltem ao convívio social, ao trabalho, às atividades de lazer, desenvolvendo recursos para que eles possam lidar com suas limitações”, explica a psicóloga Silvia Coutinho, responsável pelos encontros.

O grupo de apoio é restrito a pacientes internados na unidade. Os encontros ocorrem todas as quintas-feiras, das 15h30 às 17h. Em cada um deles, entre 10 e 12 pessoas participam.

ATIVIDADES – Para auxiliar na reabilitação, o Hospital de Apoio tem, ainda, um programa de atividade física toda terça-feira. “Temos uma parceria com o Cetef, um centro de treinamento especializado para deficientes, onde levamos nossos pacientes para ter esse contato e participar. Além disso, é momento para saírem do ambiente hospitalar e conseguir render melhor nas terapias”, conta a fisioterapeuta do projeto, Mariana Saiago.